Salar do Uyuni – tudo o que você precisa saber!

Localizado em território boliviano, ao sul da pequena cidade de Uyuni (Bolívia) e ao norte de San Pedro de Atacama (Chile) está o maior deserto de sal do mundo. Aqui contamos tudo como foi nosso passeio por esta beleza da natureza!

Referência (abril/2016):
1 real = 185 pesos chilenos
1 real = 1,90 bolivianos


 

Se tivéssemos que listar os lugares mais impressionantes que já vimos até agora (não apenas nesta viagem, mas em toda a nossa vida), com certeza o Salar do Uyuni estaria entre os top 5. Só de observar um imenso deserto que possui chão de sal em vez de areia já vale todo o investimento para chegar até lá, mas lagoas coloridas cheias de flamingos, incríveis formações de pedras e gêiseres impressionantes são o complemento para que o passeio seja inesquecível.

Salar do Uyuni, Bolívia
O Salar do Uyuni é um ótimo lugar para brincar com a perspectiva nas fotos.

Outra coisa muito legal é que, apesar de centenas de turistas cruzarem o salar todos os dias, tudo é mantido pela comunidade local. O governo pouco interviu na região, e grandes empresas de turismo, redes hoteleiras ou restaurantes famosos ainda estão de fora da jogada. Desta forma, além da beleza natural da região, você ainda entra em contato com a cultura milenar andina, que vem resistindo bravamente aos avanços ocidentais.

Está mochilando pela Bolívia ou de férias no Atacama? Não importa, este é um dos passeios obrigatórios para você fazer.

Como chegar

O acesso à região é difícil: não é por acaso que pela região se realiza o Dakar, um dos rallies mais famosos do mundo. Só é recomendável ir por conta própria quem tiver um 4×4 bom e bastante experiência em trilhas.

Estrada para o Salar do Uyuni
O caminho não é dos mais fáceis, mas a paisagem é linda.

A melhor maneira de desfrutar da região é contratando uma excursão, que pode sair tanto de Uyuni (Bolívia) quanto de San Pedro de Atacama (Chile). Os preços saindo da Bolívia são um pouco mais baratos, mas nada que compense, para quem está em San Pedro, ir até a Bolívia de ônibus para contratar o tour por lá.

Abaixo explicamos como são os tours para este lugar.

Tours

Quase todos os tours são feitos em caminhonetes Toyota Landcruiser, e levam até 6 pessoas por carro. A estrada é bem complicada, e acidentes, tanto por inexperiência quanto por imprudência dos guias podem acontecer. Por isso, é bom contratar uma boa agência para fazer o passeio.

Os passeios, tanto saindo de Uyuni quanto saindo de San Pedro, podem durar 3 ou 4 dias. Os de 3 dias cruzam de um país a outro, e os de 4 dias voltam ao ponto de partida (considere o 4° dia somente para voltar tudo até a origem). Para quem vem por Uyuni, ainda há a opção de contratar um passeio de 1 dia que leva somente ao Salar.

Estradas difíceis para o Salar do Uyuni
Escolher uma boa agência é muito importante para a sua segurança

Nós fizemos o passeio de 3 dias, cruzando de San Pedro de Atacama até Uyuni. Ignoramos todos os alertas para não tentar economizar e fomos com a Travel Lithium (www.travel-lithium.com), agência mais barata que encontramos. E não poderia ter sido melhor: os guias simpáticos e experientes, as excelentes refeições e os bons hotéis (dentro do possível) onde ficamos fizeram o tour ser nota 10. O fato dos guias serem donos dos carros nos passou muita segurança, pois desta forma nenhum abusou da sorte nas estradas.

Quem vier do Uyuni pode contratar a Expediciones Sajama (whatsapp: +59171832994), que é a parceira da Lithium lá.

(P.s.: não fomos patrocinados nem nada para fazer este tour. Simplesmente vivemos a dificuldade que foi para escolher entre mais de 80 agências um tour decente, e decidimos facilitar a vida para quem for para lá. Empresas com nomes já consolidados vendem este mesmo tour por preços mais elevados, e às vezes com qualidade inferior).

Veículo no Salar do Uyuni

Preços

Saindo de San Pedro: os preços variam de 105 a 125 mil pesos chilenos para o tour de 3 dias, e ficam em torno de 130 a 150 mil para o de 4 dias, com todas as refeições incluídas. Se chegar no fim do dia e der sorte de pegar as últimas vagas do carro, é possível barganhar e conseguir por uns 100 mil, mas corre o risco de ficar sem o passeio.

Saindo de Uyuni: os preços ficam em torno de 800 bolivianos para o de 3 dias e 1000 bolivianos para o de 4 dias. Assim como em San Pedro, na Bolívia também tudo é negociável.

Além do passeio do tour, tem que pagar:

  • 150 bolivianos para entrar na reserva (guarde o ticket, pois vão te pedir novamente ao longo do caminho);
  • 30 bolivianos para ingressar na Isla del Pescado (opcional, mas vale a pena)
  • 6 bolivianos para se banhar na piscina termal (opcional)
  • 10 bolivianos para tomar banho de água quente no hotel do segundo dia (no primeiro dia, o banho é na piscina termal).

Se quiser tomar uma cerveja no caminho, espere pagar uns 15 a 20 bolivianos na garrafa. Banheiros custam em torno de 5 bolivianos, mas você pode ir na natureza mesmo que é grátis.

Levar uns 250 bolivianos que já é suficiente, inclusive para comprar algumas lembrancinhas.

Outra dica importante: a cotação do peso boliviano em San Pedro é péssima (tanto para compra quanto para venda). Mesmo que vá com a intenção de ficar na Bolívia, troque somente o mínimo necessário em San Pedro, e deixe para sacar/trocar o restante em Uyuni.

Amanhecendo no Salar do Uyuni
Fui obrigado a fazer isso!

O que levar

Muita roupa de frio, água (uns 2 litros por pessoa/dia), protetor solar e labial, toalha e traje de banho (para a piscina termal).

Levamos algumas bolachas para beliscar no caminho, mas as refeições eram tão bem servidas que acabamos nem precisando.

Vimos muitos blogs colocarem óculos de sol como item obrigatório no Salar, mas nem nós nem o pessoal que viajou conosco sentiu falta disso (e olha que pegamos dias bem ensolarados).

O tour

Primeiro dia:

A van da Lithium passou buscando o pessoal nos hotéis a partir das 7h20min da manhã. Nós fomos os primeiros, e por volta das 8h já estávamos todos na van. Nosso grupo de turistas era composto por 13 pessoas, dentre elas gente dos Estados Unidos, Holanda, Áustria, Alemanha, Espanha e mais um casal de brasileiros.

Nossa primeira parada foi na fronteira chilena, onde fizemos a saída do país e aproveitamos para tomar um bom café-da-manhã. De lá, seguimos por cerca de 1h até a imigração boliviana, onde fizemos a entrada no país de forma bem tranquila.

Café-da-manhã em San Pedro de Atacama
Nosso café-da-manhã antes de seguir para o tour de 3 dias

Aqui, trocamos a van por Toyotas Landcruiser, e a diversão começaria de verdade!

O casal de brasileiros seguiu em um tour privado, e o restante de nós seguiu em dois carros, sendo o nosso com 6 e o outro com 5 pessoas. Nossos guias foram Roger e Peter, dois bolivianos que foram essenciais para o tour ser ainda mais legal.

Imigração da Bolívia
Do outro lado da fronteira com a Bolívia, diversos veículos esperam os turistas que chegam para o tour.

Organizamos as mochilas, fizemos as apresentações e era hora de cair na estrada!

  • Laguna Blanca e Laguna Verde

As duas primeiras paradas são nessas belíssimas lagoas, a poucos quilômetros da fronteira. Ambas oferecem belas vistas do deserto e das montanhas ao redor.

Laguna Blanca, Bolívia
A Laguna Blanca, primeira atração neste tour impressionante.

A laguna blanca é bem transparente e as algas no fundo dão uma beleza especial ao lugar.

A laguna verde, como o nome já diz, apresenta uma coloração verde impressionante. Esta cor se vê por conta dos minerais existentes na água, e se vê mais colorida em dias com vento.

Laguna Verde, Bolívia
A belíssima Laguna Verde
  • Deserto de Salvador Dali

Lembra das pinturas de Salvador Dali? Talvez aquele deserto com relógios derretidos? Pois então, andando por este deserto, você vai se sentir dentro de um quadro do pintor catalão.

Deserto de Dali, Bolívia
Deserto de Dali. Consegue imaginar os relógios derretidos por aí?

A cor avermelhada da areia, das pedras (que se formaram em consequência de erupções vulcânicas há milhões de anos atrás) e das montanhas lembram uma obra de arte. Ótima parada para tirar umas fotos e apreciar a beleza da Pachamama!

  • Águas Termales

Ótima parada para relaxar um pouco (e aproveitar para tomar um banho). Apesar de fazer frio do lado de fora, esta piscina com águas termais tem uma temperatura que chega a 40°.

Piscina de águas termales
Nada como uma piscina termal para relaxar um pouco!

Para se banhar aqui, precisa pagar 6 bolivianos (pouco mais que 3 reais). Ficamos parados aqui por meia-hora, antes de voltar para o rally.

  • Gêisers Sol de Mañana

Sim, aqui também tem gêisers! Embora não sejam tantos nem tão impressionantes quanto os Geisers el Tatio (Chile), estes também merecem a visita. Já passávamos do meio-dia, e eles seguiam soltando bastante fumaça.

Gêiser Sol de Mañana
Gêiser Sol de Mañana

O cheiro de ovo podre é consequência do enxofre expelido com a fumaça. Caminhe com cuidado, pois a temperatura dentro dos orifícios pode chegar a 100°!

Geiser Sol de Mañana
A fumaça é incrível, mas fede um monte!
  • Laguna Colorada

Última parada do dia. Esta lagoa impressionante tem cor vermelha, consequência de micro-organismos e algas avermelhadas da lagoa.

Laguna Colorada, Bolívia
A impressionante cor avermelhada da Laguna Colorada

Aqui, se faz uma pequena caminhada para avistar uma infinidade de flamingos rosados.

Flamingos na lagoa
Caminhando um pouco, é possível avistar uma enorme quantidade de pássaros, incluindo flamingos rosados.

Nosso hotel ficava ao lado desta lagoa, onde jantamos e dormimos em um quarto compartilhado entre as pessoas do nosso carro. A altitude aqui chega perto de 4200m, e algumas pessoas podem ter dificuldades para dormir (a Michele, por exemplo, passou quase toda a noite acordada).

 

Hotel no Salar do Uyuni
Aqui passamos nossa primeira noite no Salar do Uyuni

Segundo dia

Começamos o dia às 7h da manhã, tomamos um bom café-da-manhã e seguimos nosso caminho pelo deserto.

  • Árvore de Pedra e Deserto de Siloli

Esta foi, talvez, uma das paradas mais interessantes antes de chegar ao Salar do Uyuni. A famosa Árvore de Pedra é uma rocha vulcânica que possui a base fina e o topo mais largo (muito similar a uma árvore). Ela foi esculpida ao longo dos anos pelos fortes ventos que cortam o deserto.

Deserto de Siloli
Árvore de Pedra no Deserto de Siloli

Além da Árvore de Pedra, várias rochas por ali parecem uma cidade dos Flintstones. Você vai se divertir bastante caminhando e escalando cada uma destas pedras.

Deserto de Siloli
Escalar as formações de pedra é parte da diversão
  • Vulcão Ollague e muitas lagoas

A partir do Deserto de Siloli, seguimos por belas paisagens, lagoas com vários flamingos e passamos ao lado do vulcão Ollague, um vulcão ativo de onde é possível ver a fumaça saindo do topo.

Vulcão Ollangue
Vulcão Ollague cuspindo fumaça

Não tem muito do que falar deste trajeto: deixamos aqui algumas fotos que falam por si mesmas.

Mucuvinha e os flamingos
Mucuvinha com os flamingos
  • Hotel de Sal

Terminamos o dia em um hotel feito, em grande parte, de pedras de sal provenientes do salar. Neste hotel, já ficamos em um quarto privado (os quartos são para 2 ou 3 pessoas), e dormimos em camas também feitas de sal. Aqui a altitude já é bem mais baixa, e vai ser mais fácil de dormir.

Hotel de Sal - Salar do Uyuni
Hotel com paredes e tijolos feitos de sal!

Aqui, por 10 bolivianos, é possível tomar um banho com água quente. Depois do banho, jantamos e fomos dormir cedo, pois no dia seguinte acordaríamos para ver o sol nascer no salar!

Terceiro dia

Enfim, chegou o tão esperado dia: veríamos o impressionante Salar do Uyuni!

Acordamos às 5h da manhã, arrumamos nossas coisas e, às 5h30min, já estávamos nos carros seguindo para o Salar.

  • Nascer do sol no Salar

Não demorou muito e o horizonte começou a mudar de cor. Neste ponto, paramos para observar o sol nascer. A sensação de descer do carro e pisar em puro sal é algo inesquecível. Para qualquer lado que olhávamos, víamos apenas branco.

Nascer do sol no Salar do Uyuni
Belíssimo nascer do sol no Salar do Uyuni

Aqui, passamos quase 1h admirando o céu mudar de cor até ficar claro, e aproveitamos para tirar nossas primeiras fotos brincando com a perspectiva.

Mucuvinha no Salar do Uyuni
A lua ainda está no céu, enquanto o sol nasce no Uyuni. O Mucuvinha foi bem abrigado, pois faz muito frio!
  • Ilha do Pescado

Alguns poucos quilômetros adiante, chegamos à Isla del Pescado, uma impressionante ilha em meio ao mar de sal, cheia de cactus gigantes. A entrada é opcional e custa 30 bolivianos, mas vale muito a pena. A trilha pela ilha é de uns 40 minutos (com tempo de sobra para tirar fotos) e oferece vistas impressionantes do salar.

Ilha do Pescado - Salar do Uyuni
A impressionante Isla del Pescado, com seus cactus gigantes e uma bela vista ao Salar do Uyuni

Depois da trilha, tomamos um café-da-manhã à base da ilha.

  • Mais Sal!

Depois da ilha, seguimos para o meio do salar. Já era perto do meio dia, e o sol já projetava sombras menores, o que era ideal para brincar com as fotos de perspectiva. Aqui o tempo voou, e passamos mais de 1h nos divertindo!

Salar do Uyuni
Lutando com o dinossauro no Salar do Uyuni

Mucuvinha lutando com um dinossauro no Salar do Uyuni

Tomando vinho no Salar do Uyuni
Quem não queria um garrafão de vinho destes?

Além das fotos, os vídeos também costumam sair bem bacanas por lá. Deem uma olhada nestes que fizemos:

  • Museu de Sal

Um pouco mais adiante, o primeiro hotel de sal da região se converteu em museu. Em frente a ele, bandeiras de diversos países sacudiam ao vento.

Ilha das Bandeiras, no Salar do Uyuni
Pequena ilha com bandeiras de diversos países em meio ao Salar do Uyuni

A entrada ao museu é gratuita, e lá se pode ver algumas esculturas feitas de sal e ter uma ideia de como era o hotel.

Antigo hotel de sal no Salar do Uyuni
Interior do antigo hotel de sal, atualmente convertido em museu

Perto do hotel há uma escultura em referência ao Dakar, rally muito famoso que agora se realiza nesta região.

Placa do Rally Dakar
Monumento ao rally Dakar, realizado nesta região.
  • Povoado de Colchani

Pequeno povoado onde é possível comprar artesanatos, roupas e comidas típicas. Apesar da grande quantidade de turistas, este povoado segue resistindo e mantém suas tradições até hoje.

Mucuvinha em Colchani
Mucuvinha na pequena cidade de Colchani

Aqui almoçamos antes de seguir para Uyuni.

  • Cemitério de Trens

À cerca de 2km da cidade de Uyuni está um cemitério de trens. Estes trens são do começo do século XX, e o que resta agora são as carcaças das antigas locomotivas a vapor.

Cemitério de trens em Uyuni
Cemitério de trens de Uyuni

Estes trens foram trazidos para cá nas épocas de progresso da região, quando a prata era explorada e transportada para o porto de Antofagasta. Com o tempo, porém, a prata foi se acabando, a região empobrecendo e os trens se tornando obsoletos.

Cemitério de trens em Uyuni
Michele caminhando em meio ao cemitério de trens de Uyuni

Hoje, o cemitério é o encanto de turistas e das crianças de Uyuni, que se divertem escalando aquelas imensas estruturas de ferro.

  • Cidade de Uyuni

E, aqui, por volta das 15h, terminamos nosso maravilhoso passeio. Quem contratasse o tour de 4 dias, seguiria de volta a San Pedro. Nós, como seguiríamos Bolívia a dentro, ficamos por aqui.

Uyuni não chega a ser uma cidade bonita, mas tem seu encanto. Decidimos passar uma noite por aqui mesmo, antes de seguirmos para Potosi.

Com o pessoal que nos levou!
Com nossos guias

Dicas

  • Leve bastante água, pois ajuda a amenizar os efeitos da altitude.
  • Se sentir falta de ar pela noite, procure dormir com a cabeça levantada (coloque 2 ou 3 travesseiros se for preciso). Isso ajuda bastante.
  • Se sair de San Pedro, leve o mínimo de dinheiro boliviano necessário, pois o câmbio em San Pedro é péssimo.
  • Procure uma agência com boas referências, pois o caminho é complicado. Nós fomos com a Travel Lithium e recomendamos, tanto pelo preço quanto pelo serviço.
  • Leve brinquedos, garrafas, lata de pringles… enfim, use a criatividade para tirar belas fotos no salar!
  • Leve muita roupa de frio!
  • Guarde seu recibo depois de pagar a entrada no parque, pois vão te pedir novamente.
  • Para tirar boas fotos de perspectiva, é importante que a lente esteja o mais perto possível do chão. Tente levar um celular desses com a lente bem no canto, ou tirar fotos com sua câmera de cabeça-pra-baixo.

 

É isso pessoal! Curtiram o passeio? 🙂

Acompanhem nossa viagem de volta ao mundo!
www.facebook.com/mundosemfimoficial

33 comentários sobre “Salar do Uyuni – tudo o que você precisa saber!

  1. Muito bem descrito!! Já li bastante sobre o salar de uyuni!! Fantástica e minuciosa a sua descrição!! Vcs estão por onde, agora 28/04/2016!! Curto e compartilho vcs?? Abcos

    1. Olá Dora! Muito obrigado!
      Agora estamos em Potosí, Bolívia, esperando o festival de Tinku que vai acontecer no dia 4 de maio. Dizem ser uma das festas mais impressionantes do mundo. Vamos ver como é e compartilhar tudo com vocês! 😀
      Abração!

  2. Oi! Boa noite, adorei as dicas e as fotos! Muito bem escrito!!! Uma dúvida, no pacote que vocês pagaram de 3 dias, também estava incluso a hospedagem.
    Obrigada e aproveitem a viagem!!

    1. Olá Marieli!
      Muito obrigado e desculpe a demora para responder, nesta época estávamos migrando o site e seu comentário acabou sumindo. Só vimos agora!
      Estava tudo incluído sim: transporte, hospedagem e alimentação. Só não incluía a entrada no parque mesmo.
      Beijos e desculpe de novo!!

  3. Boa noite! Incrível essa viagem pelas fotos e relatos. Fiquei apaixonada.
    Só tenho uma dúvida e gostaria que me ajudassem. Teria como ir sozinha nas férias em setembro e fechar essa rota com uma agência boa, conforme indicaram? É tranquilo? Outra dúvida importante. Quanto vcs acham que eu gastaria mais ou menos nessa virgem? Contando passagem área, hospedagem, mas esse tour incrível do atacama até Uyuni? Por favor. Chutem um valor só pra eu ter idéia pois não tenho a mínima noção de valores mesmo. Obrigada!!!!!

    1. Olá Raquel, tudo bom?
      Olha só, aqui detalhamos melhor como são os gastos em San Pedro:
      https://mundosemfim.com/2016/04/28/san-pedro-de-atacama-tudo-o-que-voce-precisa-saber-para-aproveitar-ao-maximo-este-lugar-incrivel/

      Só para ter uma ideia, você consegue um hostel bom por algo em torno de 15 mil pesos. De comida vai gastar uns 8 mil pesos por dia, incluindo café, almoço e janta. Se quiser cozinhar sua própria comida, sai mais em conta.
      Quanto a passagem de avião, não tenho ideia, porque fomos até lá de carona. Para chegar a San Pedro tem que ir até Calama, e de lá pegar um ônibus (rapidinho – 1 hora). Pode dar uma pesquisada no preço das passagens até Calama para ter uma ideia.
      Quanto aos passeios, o Salar do Uyuni recomendamos a Lithium (www.travel-lithium.com) mesmo, que custa uns 110 mil pesos (pode mandar um e-mail e falar que viu na nossa página que talvez façam um desconto).
      Os passeios em San Pedro fizemos tudo com a Ayllu (www.ayllu.cl), que é uma empresa top de lá e especializada em receber brasileiros. Pode mandar um e-mail para eles em português pedindo um orçamento que eles respondem! Pode dizer que foi por indicação nossa também.
      Outras agências de lá fazem o passeio mais barato que a Ayllu, mas aí não saberíamos indicar se o passeio é bom ou não.
      Todos os preços que te passei são em pesos chilenos. Para ter uma ideia de quanto é em reais, divida por 175 (aí vai ter o valor real, já incluindo as perdas com IOF ou a taxa da casa de câmbio).
      Esperamos ter ajudado, e qualquer dúvida estamos aqui! 🙂

  4. minha duvida na verdade é após uyuni, vocês fizeram percurso de carona ou ônibus até la paz?
    As estradas são realmente muito ruins?
    Estou pensando ir de uyuni para la paz e fazer um passeio de bicicleta pela estrada da morte. mas quero ir de ônibus, para economizar.

    valeu!! boa viagem

    1. Fala rapaz!
      Fizemos de ônibus (paramos para conhecer Potosí e Sucre; se tiver tempo, tente dedicar pelo menos 1 dia a cada uma destas cidades). Na Bolívia pegar carona para longas distâncias acaba não sendo muito vantajoso, porque os ônibus são baratos e você pode pegar um noturno e ir dormindo para economizar tempo e dinheiro.
      As estradas realmente são ruins em alguns trechos, mas são muito bonitas. Este trecho entre Uyuni e Potosi tente fazer de dia, pois o visual é incrível.
      Não saberia te dizer se existe ônibus de Uyuni até La Paz direto ou se você teria necessariamente que descer em Potosí. De Potosi a La Paz certeza que tem.

      Neste link colocamos nosso roteiro e o preço de algumas passagens para você ter uma ideia de quanto vai gastar:

      http://mundosemfim.com/mochilao-pela-bolivia-roteiro-gastos-dicas-fotos-etc/

      P.s.: Esse trecho de bike eu fiz em uma outra viagem que fui pra Bolívia. É realmente imperdível!!

      Abraço e boa viagem para você tb!

  5. Oi! Estou querendo fazer as Torres del Paine, o Atacama e o Salar do Uyuni em dezembro, mas estou um pouco perdida! Tem como ir de onibus de um lugar para o outro? Ou se tiver que ir de aviao como faz? Dá pra fazer tudo em 15 dias?
    Obrigada

    1. Olá Stephany!
      Ir de ônibus é complicado, porque a distância é muito grande. Vai ficar alguns dias dentro do ônibus.
      Se for de avião, teria que voar de Santiago para Calama, depois voltar para Santiago e ir para Puerto Natales.
      15 dias acho meio apertado. Talvez valha mais a pena ir só para a Patagônia nestas férias, e deixar o Atacama e o Salar para umas férias futuras (aí pode aproveitar e conhecer um pouco mais da Bolívia).
      Só na Patagônia tem coisa de sobra para fazer em 15 dias. Pode ir no glacial Perito Moreno e em El Chaltén (Argentina).
      Colocamos algumas sugestões de roteiro pela Patagônia aqui, talvez ajude:
      http://mundosemfim.com/roteiros-pela-patagonia-dicas-para-aproveitar-ao-maximo-uma-das-regioes-mais-bonitas-do-continente/

    1. Fala rapaz!
      Não saberia dizer, acho melhor ela consultar o médico dela para ver se teria problema. Lá não tem médico nem hospital, no máximo vai encontrar algum curandeiro indígena da região. As agências também costumam levar oxigênio, mas não saberia dizer se seriam suficientes para uma possível crise de asma.
      Melhor pedir conselhos para um médico aí no Brasil mesmo!

  6. Primeiro, parabéns pelo relato e pelas fotos! Ansiosa para a viagem.
    Gostaria de saber onde vocês fizeram o câmbio de bolivarianos? E vale mais a pena comprar dólares para usar em San Pedro de Atacama? Vocês trocaram no Brasil ou lá mesmo?
    Obrigada!

    1. Olá Angelina! Obrigado! 🙂
      Sobre o câmbio de bolivianos, tivemos que fazer em San Pedro mesmo. A cotação é péssima, mas não há outro lugar no caminho. Se você for continuar a viagem pela Bolívia, recomendamos trocar somente o mínimo necessário (algo em torno de uns 250 bolivianos) e deixar para trocar o restante em Uyuni.
      Quando estivemos por lá usamos o cartão de débito para ir fazendo saques. A cotação do real estava péssima, mas no dólar pagavam bem. Em Santiago pagavam bem no real. Se for passar uns dias na capital, recomendo trocar o dinheiro por lá. Se não, leve dólares que é bem cotado em qualquer lugar 🙂

  7. Olá amigos! Tô passando aqui só para referir que executamos o roteiro descrito com a agência Lithium no último mês de novembro e tivemos um ótima experiência! Agradeço muito a indicação! Abraços!

  8. Pessoal, eu vou viajar agora em julho desse ano, e no meio da viagem vou encontrar com um amigo, so que como nossos roteiros são meio diferentes, entremos em um impasse que ate conseguimos resolver, porém após o Uyuni temos que ir para a Argentina, e a ideia era para Mendonza, so que está cidade fica muito longe, será que vocês tem alguma sugestão para nós? uma cidade mais próxima ou o jeito vai ser morrer 2 dias de buzão mesmo? E se for de buzão no google não mostrou onde podemos pegar.. enfim será que conseguem nos ajudar? Desculpe atrapalhar um pouquinho a viagem de vpcês e muito obrigado!!

    1. Fala Marcos!
      Cara, infelizmente o norte da Argentina nós não conhecemos, e nessa parte do Chile (entre San Pedro e Santiago) não tem muita coisa mesmo.
      Do lado argentino tem Salta, Jujuy e Tucuman que todos dizem ser espetacular. Podem dar uma olhada.
      Quanto aos ônibus, no Chile são bem mais baratos que na Argentina. Se forem tocar direto, melhor fazer parte do caminho pelo Chile.
      No caso do Chile, teria que chegar em Calama e de lá tocar direto para Santiago, e de Santiago para Mendoza.
      Pela Argentina não saberia dizer. Podem tentar carona nessa região que é muito fácil
      Abraço!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *