O que fazer em Bogotá – tudo sobre a capital colombiana!

Vibrante, moderna, antiga, cultural – enfim, é possível encontrar de tudo nesta imensa e belíssima capital. Chegamos aqui sem ter ideia do que esperar, e a cidade nos surpreendeu positivamente em todos os sentidos!

Câmbio oficial (nov/2016)
1 real = 930 pesos colombianos
1 dólar = 2910 pesos colombianos

Plaza de Bolívar, no centro de Bogotá
Plaza de Bolívar, no centro de Bogotá

Santa Fé de Bogotá, ou simplesmente Bogotá, é a capital colombiana e a maior cidade do país. Com mais de 7 milhões de habitantes (e quase 9 milhões contando a região metropolitana), esta é a 4° maior cidade da América do Sul.

Sua altitude fica em torno de 2600m.s.n.m, fazendo de Bogotá a terceira capital mais alta do mundo. Apesar de não ser tão comum, é possível que alguém que não esteja acostumado sinta muito cansaço ou enjôos nos primeiros dias.

Esta cidade, com inúmeros parques, ciclovias para tudo que é canto, cultura riquíssima, arquitetura que mescla o moderno e o antigo e um povo extremamente simpático (ainda que, para os padrões da Colômbia, os bogotanos sejam considerados “fechados”) esta foi uma das capitais que mais nos surpreendeu positivamente até agora!

Chegando e saindo

Bogotá possui um terminal de ônibus grande, que é facilmente acessível com transporte público (Transmilenio), que fornece conexão com todo o país. Uma passagem para Medellín (9h) sai a partir de 50 mil; para Cali (9 horas), 55 mil; para Cartagena (20 horas), 140 mil.

Para saídas a Zipaquirá, Villa de Leyva, província de Santander e outras cidades ao norte, há o Portal Norte, um mini-terminal também acessível com o Transmilenio.

Outra opção é viajar de avião, que, além de ser mais rápido, muitas vezes é ainda mais barato que viajar de ônibus. As empresas aéreas mais econômicas do país são a Viva Colombia e a Wingo. O aeroporto também está integrado ao Transmilenio.

La Candelária, o centro de Bogotá
La Candelária, o centro de Bogotá

Hospedagem

Como toda cidade grande, é melhor já chegar aqui com uma reserva do que ficar procurando hospedagem na hora. Apesar de haver bastante oferta de hostels na Candelária, os preços perguntando no balcão são os mesmos (se não superiores) aos que se consegue reservando no Booking ou no Hostelworld, por exemplo.

(Se você usa o Booking, faça a reserva por aqui, e ajude nosso site a continuar no ar!)



Booking.com

Para quem está viajando de mochileiro ou quer uma experiência mais autêntica, o ideal é ficar próximo ao centro histórico (Candelária), onde estão os principais museus e bares da cidade.

Se quiser algo mais chique (e caro), procure se hospedar perto do parque “El Virrey”, onde estão as discotecas e shoppings mais sofisticados de Bogotá.

Enquanto estávamos aqui, ficamos em dois hostels muito bons, bem localizados e sem dúvidas os mais econômicos da cidade.

O La Playa (http://www.laplayahostel.com/) está a uns 30 minutos de caminhada do centro, localizado em um bairro residencial bastante seguro, e próximo às estações de ônibus que levam à rodoviária, ao centro e ao norte. Tratamento nota 10 e ambiente bem familiar. Ótima opção para quem viaja em família ou quer ficar em uma região mais tranquila.

O Iku Hostel (http://ikuhostel.co/) está em plena Candelária, e oferece um ambiente bastante agradável, além de estar perto do fervo. Se estiver em Bogotá no fim de semana e quiser curtir a noite colombiana, é uma ótima opção.

Ambos custam 25 mil pesos por pessoa em quarto compartilhado, e incluem café-da-manhã. Se não quiser o café, é possível negociá-los por 20 mil. Também oferecem quartos privados, cozinha e duchas com água quente (apesar de parecer óbvio em uma cidade como Bogotá, algumas hosedagens só oferecem duchas frias!).

Transporte público

Bogotá não possui metrô, e seu substituto é o Transmilenio, uma rede de ônibus bi-articulados que seguem por vias exclusivas e param em pontos onde é possível fazer conexões gratuitas com outros ônibus.

Apesar de, na teoria, o sistema ser excelente, ele já não está dando conta de tamanho fluxo de pessoas, e nos horários de pico espere enfrentar longas filas. Também é comum a porta automática não abrir, e você precisar forçá-la com a mão. Tirando estes detalhes, é possível se deslocar com ele para praticamente qualquer canto da cidade.

Em cada estação há mapas indicando as rotas de cada ônibus. À primeira vista tudo parece muito confuso, mas aos poucos você vai pegando o jeito. Se estiver em dúvidas, sempre haverá algum colombiano muito simpático disposto a te ajudar.

Transmilenio, o principal sistema de transporte de Bogotá
Transmilenio, o principal sistema de transporte de Bogotá

Para pegar o Transmilenio é preciso comprar um cartão (3 mil) e ir colocando crédito (2 mil por viagem). Este cartão também serve para outros ônibus, que em geral são um pouco mais baratos.

Os táxis de Bogotá usam taxímetro, mas a cidade é famosa por taxistas malandros. Tome muito cuidado para que não te passem notas falsas (um truque muito comum é pegarem o seu dinheiro, trocarem por um falso e te devolverem). Também fique esperto, pois o taxímetro não mede em dinheiro, mas sim em um código que, futuramente, se converte em pesos colombianos.

Uma opção muito usada, ainda que ilegal no país, é o Uber.

Divisão da cidade

Bogotá é dividida de uma forma bastante curiosa: ela possui seis estratos, que basicamente são zonas demarcadas de acordo com o status social. O estrato 1 é habitado pelas famílias mais humildes, enquanto o estrato 6 é reservado às mais abastadas. O preço dos impostos e dos aluguéis varia de acordo com cada estrato.

De uma forma geral, quanto mais ao norte, maior o número do estrato.

Ruas antigas da Candelária
Ruas antigas da Candelária

Segurança

Bogotá nos pareceu uma cidade bastante segura, principalmente nos estratos mais elevados. A região da Candelária é bem policiada, mas exige cautela pela noite (são mais seguras nas sextas e sábados, quando suas ruas se enchem de pessoas indo beber).

Como toda cidade grande, há zonas mais seguras e outras mais complicadas. É sempre bom se informar no seu hotel sobre quais ruas evitar.

Dentro dos ônibus lotados, fique atento a batedores de carteiras. Sempre leve sua mochila na frente, e evite deixar o dinheiro ou os documentos no bolso de trás da calça.

Virrey, um dos inúmeros parques de Bogotá
Virrey, um dos inúmeros parques de Bogotá

Preço da comida e da bebida

Em Bogotá é fácil almoçar por 8 mil pesos. Se procurar bem, encontra restaurantes mais econômicos (o mais barato que encontramos foi de 5500 pesos). É possível encontrar restaurantes baratos mesmo nos bairros mais chiques.

Uma lata de cerveja nacional custa entre 1500 e 2000 nos supermercados, e a partir de 3 mil nos bares. Uma garrafa de 600 ml de coca-cola fica na faixa dos 2500.

Uma garrafa de 1 litro de rum barato fica na faixa dos 30 mil.

Como toda cidade grande, estes preços podem custar até 10x mais em estabelecimentos mais sofisticados.

Mucuvinha no Hard Rock Café, uma das opções caras de Bogotá
Mucuvinha no Hard Rock Café, uma das opções caras de Bogotá

Temperatura

Ao falar em Bogotá para qualquer colombiano de outras cidades, o comentário é: “Bogotá? Muy frío!!!”. De fato, em comparação à costa e a lugares como Cali ou Neiva, Bogotá é, realmente, muito frio. Mas, para quem já visitou o sul do Brasil, pode ficar tranquilo.

A temperatura na capital colombiana fica em torno dos 20° pelo dia, e costuma cair a uns 10° pela noite. Não há muita diferença de verão ou inverno. A temporada de chuvas costuma ser de setembro a novembro e de março a maio.

O que fazer em Bogotá?

Bogotá possui um centro histórico muito bonito durante o dia, e fervilhante durante a noite, especialmente nos fins de semana. Além de oferecer diversos museus (muitos deles gratuitos), esta capital tem uma infinidade de parques e vida noturna para todos os gostos e bolsos.

Se só tiver um dia, recomendamos percorrer a região da Candelária. Se tiver tempo livre, recomendamos dedicar pelo menos uns 3 dias a Bogotá.

Ah, interessante lembrar que, no último domingo do mês, praticamente todos os museus da cidade oferecem entrada gratuita!

Aqui a lista do que mais curtimos:

  • La Candelária

A região denominada de La Candelária é o centro histórico de Bogotá. Aqui estão diversos museus, bares, discotecas e o Palácio do Governo. Suas casas históricas e seus inúmeros artistas de rua dão uma beleza ainda maior ao local.

Se tiver a oportunidade, visite-o no domingo, quando os artistas e as feiras de rua estão ainda mais intensos.

  • Museo do Ouro

Localizado na Candelária, este é o maior museu do ouro do país. Contando com uma infinidade de relíquias feitas em ouro, prata e outros metais preciosos, ele ajuda a entender melhor a história das populações pré-colombianas que viviam na região. Se você, antes, não tinha ideia do que fez os colonizadores perderem a cabeça neste continente, agora vai saber.

Museu do Ouro em Bogotá
Muito, muito ouro

A entrada custa 3 mil pesos; nos domingos é gratuita.

  • Museo Casa de la Moneda

Com entrada gratuita, este é um museu muito interessante para entender como foi a evolução da economia do país, desde informações de como era feito o escambo nos tempos pré-coloniais até a evolução do peso colombiano. Dentro do museu há diversas máquinas de cunhar moedas e também exposições de artistas colombianos.

Um pouco da história do dinheiro colombiano no Museu Casa de la Moneda
Um pouco da história do dinheiro colombiano no Museu Casa de la Moneda
  • Museo Botero

Anexo ao museu Casa de la Moneda, este foi o museu de artes mais espetacular que já visitamos até hoje. E, por incrível que pareça, sua entrada é gratuita.

Nela, além de esculturas e quadros do renomado artista colombiano Fernando Botero, ainda é possível ver obras de nomes como Picaso, Salvador Dali, Renoir, Miró, Monet e outros.

Museu Botero, em Bogotá.
Exposição com obras do Botero e diversos outros artistas renomados.

Mesmo nós, que não somos muito conhecedores do assunto, ficamos de queixo caído.

  • Museo de la Policia

Indispensável para conhecer melhor o passado violento do país. Localizado dentro de uma antiga delegacia de polícia, este museu apresenta uma enorme exposição de armas e outros equipamentos, utilizados tanto por policiais como por bandidos. Alguns destaques são a moto Harley Davidson, com detalhes em ouro, que pertenceu a Pablo Escobar, assim como o rádio que ele utilizou antes de morrer e sua camisa manchada de sangue.

Acervo de armas no Museu da Polícia de Bogotá
Acervo de armas no Museu da Polícia de Bogotá

O tour dentro do museu é guiado e gratuito.

  • Museo Nacional

Localizado dentro de um antigo presídio, este museu ajuda a entender melhor a história do país, desde os tempos pré-coloniais até os tempos modernos. Uma infinidade de relíquias indígenas e coloniais, assim como diversas salas dedicadas a heróis como Simón Bolívar e Santander engrandecem ainda mais o acervo.

Também há uma exposição de artes, com obras de vários artistas colombianos, entre eles (como não poderia faltar) Fernando Botero.

Museu Nacional de Bogotá
Museu Nacional de Bogotá

A entrada ao museu custa 3 mil pesos. Está localizado a uns 2 km da Candelária.

  • Cerro Monserrate

De praticamente qualquer canto de Bogotá é possível ver este imponente cerro, com uma igreja no topo. Para subir até lá, é preciso desembolsar 9 mil por trecho (ou 5 mil nos domingos) para pegar um teleférico ou um funicular (o ideal é subir em um e descer em outro). Em teoria também é possível subir caminhando (cerca de 2h morro acima), mas quando estivemos aqui as trilhas estavam fechadas.

Cerro Monserrate, em Bogotá
Ao fundo da cidade, o Cerro Monserrate, com sua igreja no topo.

Lá em cima, além da igreja, há alguns restaurantes e casas antigas. O ideal é subir em um dia sem nuvens, para ter uma vista mais bonita da cidade.

  • Chorro de Quevedo

Pequena praça, com uma igreja e um chafariz, é o local onde muitos colombianos se reúnem para beber nos fins de semana. As casas coloniais e as ruas estreitas de pedra que a cercam dão uma boa ideia de como era Bogotá nos tempos coloniais.

Durante a noite é comum a polícia chegar para dispersar o pessoal.

Mucuvinha no Choro de Quevedo
Mucuvinha no Chorro de Quevedo
  • Zona T

A uma pequena caminhada a partir da estação Virrey do Transmilenio está esta zona chique de Bogotá. Durante o dia, seus diversos shoppings e lojas caríssimas encantam qualquer comprador compulsivo.

Pela noite (especialmente nos fins de semana), suas ruas se enchem de gente vindo atrás de seus bares e baladas mais sofisticados.

Zona T pela noite
Zona T pela noite
  • Andrés Carne de Res

Se tiver grana para gastar, não deixe de jantar uma noite no Andrés Carne de Res, um restaurante temático impressionante. Com uma decoração única, que mescla o moderno e o bagunçado, este restaurante de 5 andares vai te proporcionar uma experiência inesquecível. Seus shows de música, mágica e teatro farão com que sua noite seja única, não importa quantas vezes você o visite.

Andrés Carne de Res - uma experiência única na cidade!
Andrés Carne de Res – uma experiência única na cidade!

O Andrés Carne de Res está localizado na Zona T. Há um outro muito maior, na cidade de Chía, que ocupa 4 quarteirões, onde as pessoas vão para dançar. Segundo nos contaram, este é muito mais legal que o de Bogotá.

Um casal vai gastar facilmente uns 100 mil pesos jantando por aqui.

Considerada a Primeira Maravilha da Colômbia, a Catedral de Sal não está localizada em Bogotá, mas sim na pequena cidade colonial de Zipaquirá, a 48km de distância.

Esta imensa catedral, construída dentro de uma mina de sal, é sem dúvidas o passeio mais sensacional da região.

Para chegar até lá, pegue um ônibus no Portal Norte. A entrada custa 50 mil pesos, e é possível fazer um bate-volta de 1 dia tranquilamente.

A nave central da Catedral de Sal
A nave central da Catedral de Sal

Leia mais detalhes desta catedral aqui.

 

É isso pessoal!

Esperamos que tenham gostado das dicas desta belíssima capital.

Para mais fotos e dicas de nossa viagem de volta ao mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

9 comentários sobre “O que fazer em Bogotá – tudo sobre a capital colombiana!

  1. Excelente! Apesar de Bogotá ter muuuuuuito mais pra conhecer, vcs resumiram muito bem o básico. Só acrescentaria no texto de vcs, o Andrés Carne de Res de Chia que é mil vezes maior e melhor que esse de Bogotá mesmo! Enfim, já sou muito fã de vcs! (:

    1. Obrigado Camila!
      Pois é, pena que precisamos resolver muitas coisas em Bogotá (compra de equipamentos, atualizar os cartões, vacinas, etc), assim acabamos não conhecendo tanto. Mas tudo bem, fica uma desculpa para voltarmos! 😀
      E obrigado pela dica, já atualizamos o texto enfatizando que o de Chia é mais legal!!

      Abraços!!

  2. Estou indo pra Colômbia em agosto, onde ficarei 6 noites (chego em Bogotá no dia 11/08 à noite (20h) e volto no dia 17/08 de meio dia). Gostaria de sugestão de roteiro, considerando que terei 5 dias inteiros.
    Pensei inicialmente em ficar em Bogotá até o dia 14/08, partindo para Medellín à tarde, onde ficaria até o dia 16/08 à noite (ficando, portanto, 2 dias e uma manhã em Bogotá e 2 dias e uma noite em Medellin). É viável esse roteiro ou perderei muito tempo com os deslocamentos? Seria mais interessante ficar apenas em Bogotá, pra conhecer com mais calma as atrações da cidade? Meu receio é ficar tempo demais em Bogotá e não ter tanta coisa pra fazer…mas também tenho medo de ir pra Medellín e perder muito tempo com os percursos…
    Enfim, qual seria o roteiro que você sugeriria para mim, contando com 5 dias inteiros na Colômbia, sendo o voo de chegada e saída em Bogotá?
    Desde já agradeço!

    1. Olá Marília!
      Com este tempo ficaria complicado ir para Medellín, porque vai perder muito tempo com o deslocamento mesmo. Recomendo ficar só em Bogotá, lá tem suficientes coisas para fazer nestes dias. Também pode aproveitar para conhecer algumas atrações em cidades mais próximas, como a Catedral de Sal, a cidade colonial de Villa de Leyva e, se sobrar tempo, o Deserto da Tatacoa.
      Com isso tem atrações de sobra para estes 5 dias!
      Boa viagem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *