Execução em Saigon – a história por trás da icônica foto da Guerra do Vietnã

Em 1968 o fotógrafo Eddie Adams capturou uma das fotos mais icônicas da Guerra do Vietnã. Apesar de a foto ter lhe rendido o prêmio Pulitzer, Adams revelou que preferia nunca tê-la tirado.

Talvez você já tenha visto esta foto:

Créditos: Eddie Adams/AP

Em fevereiro de 1968 ela estava na primeira página dos principais jornais de todo o mundo, mostrando de forma clara os horrores cometidos na Guerra do Vietnã. Esta foto, junto com a da napalm girl, teve um impacto tremendo na opinião pública, levando cada vez mais em mais pessoas a protestarem contra a intervenção dos EUA na guerra.

Mas qual a história por trás dela? E por que seu fotógrafo se arrependeu de tirá-la?

Segundo o próprio Eddie Adams, esta foto, apesar de não ter sofrido manipulação nenhuma, não conta uma história verdadeira. Ela mostra apenas um homem assustado, aparentemente um civil, vestido com roupas simples, sendo sumariamente executado a sangue frio no meio das ruas de Saigon.

A viúva mostrando a foto de seu marido morto, estampada nos jornais.

Então vamos à história por trás da foto:

O homem que aparece sendo executado é Nguyen Van Lem, codinome Bay Lop. Quem aponta a pistola é o general Nguyen Ngoc Loan (Nguyen é um nome muito popular no Vietnã), chefe da polícia nacional do Vietnã do Sul.

Bay Lop pertencia ao vietcongue (guerrilha aliada ao Vietnã do Norte) e foi acusado de liderar ataques contra a polícia nacional do sul e seus familiares (incluindo mulheres, crianças e idosos). Ele foi capturado no dia 1 de fevereiro de 1968, perto de uma cova coletiva, onde havia o corpo de sete policiais e alguns membros de suas famílias. Após a captura, Bay Lop foi levado para o general Ngoc Loan, que o executou no meio da rua. Sem interrogatório, sem julgamento, sem confissão, sem provas, sem nada.

Após a execução, o general teria caminhado até o fotógrafo e dito: “Eles mataram muitos dos meus homens, e talvez dos seus também”. E então se retirou.

Foi a coisa certa a se fazer? Certamente não somos nós quem podemos julgar. Em uma guerra onde ninguém respeitava os direitos civis ou o Tratado de Genebra, fica difícil tirar qualquer conclusão.

Mas a história não termina por aí. Segundo as palavras de Eddie Adams:

“O general matou o vietcongue; eu matei o general com minha câmera. As fotos são a arma mais poderosa do mundo. As pessoas acreditam nelas; mas fotos mentem, mesmo sem manipulação”.

Créditos: Eddie Adams/AP.

O fato é que esta foto acabou com a vida do general Ngoc Loan. Onde quer que ele fosse ele seria lembrado pela foto e visto como um demônio.

Alguns meses depois desta foto, Ngoc Loan foi ferido na perna e teve que amputá-la. Ele foi levado para a Austrália (um país aliado do Vietnã do Sul), mas o hospital se recusou a atendê-lo e ele teve que ser transferido para os EUA. O Departamento de Imigração americano tentou deportá-lo sob a alegação de que ele havia cometido crime de guerra, mas Eddie Adams testemunhou a favor do general e ele acabou ganhando residência permanente.

Ngoc Loan abriu uma pizzaria nos EUA e conseguiu viver um tempo no anonimato. Porém, em 1991, decidiu se aposentar após encontrar escrito na porta de um dos banheiros o seguinte: “nós sabemos quem você é, idiota”.

O general em sua pizzaria

Ngoc Loan morreu em 1998, com 67 anos, vítima de um câncer.

É isso, pessoal! Se quiserem conhecer a história por trás de mais fotos icônicas do Vietnã, não deixem de conferir os seguintes artigos:

E não deixem de nos seguir em nossas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *