Vivendo o Dia dos Mortos em Oaxaca (México)

Quer viver uma das melhores experiências que o México tem para oferecer? Então passe o dia dos mortos em Oaxaca. Aqui contamos como é!

Câmbio oficial (nov/2017)
1 real = 5,87 pesos mexicanos
1 dólar = 19,10 pesos mexicanos

Dia dos Mortos, Oaxaca
Mucuvinha na festa de Dia dos Mortos

Declarada como Patrimônio Cultural Imaterial pela UNESCO, o Dia dos Mortos foi a celebração mais bonita que já vimos nestes 2 anos de estrada. É difícil explicar o que se sente nestes dias, mas a energia e as vibrações são muito boas.

Segundo a crença local, há um dia do ano em que se abre um portal entre o mundo dos vivos e dos mortos. Por isso, as casas são enfeitadas com altares cheios de comidas e bebidas, dadas como oferendas aos entes queridos que já se foram. Muitos vão passar a noite no cemitério, festejando no túmulo de seus parentes e amigos. E também tem aqueles que se fantasiam de morto, assim os mortos de verdade podem caminhar entre nós sem serem reconhecidos.

E, como é um dia de visita, ninguém chora ou se lamenta. Pelo contrário: os mortos são recebidos com muita festa!

Dia dos Mortos, Oaxaca
Festa de Dia dos Mortos

Onde acontece?

A festividade de Dia dos Mortos acontece principalmente no México e em algumas regiões da América Central.

No México, os lugares onde a festa é maior e mais tradicional são os estados de Oaxaca e Michoacán (principalmente na região de Pátzcuaro). Se tiver a oportunidade, vá para restes lugares. Nós vivenciamos na capital de Oaxaca, e foi espetacular.

Quando acontece?

O portal para o mundo dos mortos se abre pela primeira vez na noite do dia 31 de outubro para o 1 de novembro. Nesta primeira abertura, somente as crianças (angelitos) podem passar. Na noite de 1 para 2 de novembro, o portal é aberto para os adultos.

Assim, o dia em que a festa está mais interessante é o 1 de novembro. Porém, as festividades já se iniciam pelo menos 1 semana antes. Se quiser ver a festa completa, recomendamos chegar desde o dia 28 de outubro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dia dos Mortos x Halloween

Muitas pessoas confundem o Dia dos Mortos com o Halloween (e a confusão é ainda maior porque o México celebra estas duas festas, e as datas são muito próximas). Mas, apesar de termos visto crianças pedindo doce e muita gente fantasiada de bruxa e do palhaço do filme “A Coisa”, a ideia das duas celebrações é muito diferente. No Dia dos Mortos, a essência não é o medo, mas sim o entendimento e a veneração da morte. A abertura do portal é uma oportunidade única para estarmos perto de nossos parentes que já se foram. Ninguém vai ao cemitério pela noite com medo, mas sim com alegria.

Dia dos Mortos, Oaxaca
Menino fantasiado do palhaço do filme “A Coisa”

Mais sobre a festa:

Aqui estão algumas características e itens que fazem parte do Dia dos Mortos:

  • Veladas: é quando os cemitérios e algumas ruas da cidade se enchem de velas. Acontecem nas noites dos dias 31 de outubro e 1 de novembro, justamente quando as pessoas vão aos cemitérios esperar a vinda de seus entes queridos.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Comparsas: é um grupo de pessoas que desfila pelas ruas da cidade fantasiadas de mortos. Geralmente os desfiles se inauguram no dia 28 de outubro e vão até o dia 2 de novembro.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Catrinas e Catrins: as catrinas representam uma mulher morta, sempre bem arrumada com vestidos da elite espanhola. Um catrin é a representação masculina, geralmente vestindo com um elegante terno. Mas, mesmo que você não tenha uma roupa de gala, é possível entrar na brincadeira pintando o rosto de caveira (há várias pessoas na rua que fazem a maquiagem por algo entre 70 e 100 pesos).

  • Pan de muerto: é um pão doce que representa a eucaristia. Sua massa é feita com anis e a cobertura é de açúcar. Pode ser recheado ou não. Durante a festa, é vendido em praticamente toda a cidade. Podem vir tanto em um formato simples quanto no formato de caveiras ou figuras religiosas.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Crâneos doces: são ossos de cabeça feitos de açúcar. Na testa vem escrito o nome de alguma pessoa morta a quem se quer homenagear. Como brincadeira, também é comum escreverem o nome de pessoas vivas. Estão presentes em praticamente todos os altares.

  • Flor de cempasúchitl: é uma flor amarela que representa o sol. No dia dos mortos, estas flores são usadas para adornar os altares, a cidade e os cemitérios. Acredita-se que elas servem para guiar as almas até seu antigo lar.

  • Papel picado: são papéis coloridos recortados no formato de desenhos e caveiras, e servem para enfeitar tanto os altares quanto as ruas e as casas. Representam a alegria do Dia dos Mortos.

    Dia dos Mortos, Oaxaca
    Papel picado, típico desta festa
  • Tapetes: são desenhos feitos sobre tábuas no chão utilizando areia colorida (escutamos que em alguns lugares utilizam serragem também). Geralmente os desenhos formam imagens de santos, simbolizando a influência católica sobre o Dia dos Mortos.

    Dia dos Mortos, Oaxaca
    Os tapetes típicos do Dia dos Mortos
  • Comidas, bebidas, etc: os altares sempre são adornados com comidas e bebidas. Além das típicas que já citamos, é comum colorarem também aquelas que eram as favoritas de quem se está homenageando. Se o morto for um adulto, garrafas de tequila e cerveja não faltarão.

    Este slideshow necessita de JavaScript.

Além destes, há muitos outros elementos que fazem parte desta celebração. Para conhecer todos, só participando mesmo!

Dia dos Mortos em Oaxaca

Nós chegamos a Oaxaca no dia 27 de outubro pela noite. A cidade já estava bastante animada, mas as festividades só começaram mesmo no dia seguinte, quando as primeiras comparsas saíram para desfilar.

A partir de então, era festa todos os dias. Além disso, eventos como apresentações teatrais, cinemas gratuitos, shows de luzes e muito mais eram frequentes. Há cartazes espalhados por toda a cidade com os horários destes eventos, mas você também pode acompanhar pelo site www.viveoaxaca.org.

As principais festividades aconteciam ao longo da rua Macedonio Alcalá, entre o zócalo e a Igreja de Santo Domingo. Se puder se hospedar nesta região, é uma boa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A velada acontece em vários cemitérios. A principal costuma acontecer no Panteón General, mas como este foi bastante danificado por um terremoto que aconteceu meses antes, ela acabou sendo transferida para o cemitério de Xochimilco (ao lado da igreja de Santo Tomás Xochimilco). Apesar de parecer longe, é bem tranquilo e seguro ir e voltar de lá a pé pela noite.

Se você quiser fazer um passeio por vários cemitérios, praticamente todas as agências vendem tours por preços na faixa de 550 pesos (100 reais). Estes tours saem por volta das 23h e voltam depois da 1h da manhã.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A festa é bem animada, principalmente pela noite. Achamos bastante segura, mesmo para andar com crianças ou com uma câmera pendurada no pescoço. Vale a pena visitar algumas cidades menores vizinhas para ver como é a festa por lá.

Vale lembrar que, apesar de em muitos aspectos os desfiles parecerem carnavais, no México é ilegal beber na rua, e este crime é punido com cadeia. Mesmo que você veja outras pessoas fazendo o mesmo, recomendamos ter cautela. Deixe para beber no hotel ou em algum bar para evitar problemas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Turistas são bem-vindos?

Esse era um receio que tínhamos antes de ir. Ainda que a festa já tenha se tornado bastante turística, será que não estaríamos invadindo o espaço e a privacidade das pessoas locais? Não seria um incômodo entrarmos em um cemitério com as câmeras na mão?

Felizmente, percebemos que turistas são muito bem-vindos sim. É claro que é importante ter respeito e pedir autorização se quiser tirar fotos do túmulo de alguém, mas com toda a certeza você será autorizado. De fato, percebemos que os mexicanos têm muito orgulho e gostam que o mundo veja como é a sua tradição. Várias vezes, no cemitério, fomos convidados a tomar uns goles de tequila e a conversar com as famílias que estavam ali (e, quando contávamos que éramos brasileiros, todos ficavam bastante animados).

Dia dos Mortos, Oaxaca
Mucuvinha com uma pequena Catrina

Onde nos hospedamos

Nós ficamos no hotel Zipolite (Rua Arteaga, 100), que foi a única opção econômica que conseguimos para estes dias (57 reais por um quarto de casal). Importante reservar com antecedência. O hotel não é bom, mas quebra um galho e está muito bem localizado. Na rua dele tinha outras opções também que pareciam ser econômicas.

Se quiser reservar um hotel em Oaxaca, pode fazer a busca por aqui:



Booking.com

Onde comer?

Ao redor do Zócalo há uma infinidade de restaurantes turísticos. Se quiser algo mais econômico (e mais tradicional), o mercado 20 de Noviembre é uma boa pedida. Há várias opções de pratos a partir de 50 pesos (9 reais).

Neste mercado há um corredor onde vendem churrasco assado na hora. O quilo da carne (preparada) sai por algo entre 150 e 200 pesos (30 a 40 reais). Além da carne, é opcional comprar acompanhamentos, como tortilhas, guacamole, salada, pimenta, etc (15 pesos – 3 reais – cada um).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Se quiser algo ainda mais econômico, nos arredores do mercado há restaurantes que servem menus a partir de 30 pesos (pouco menos de 6 reais).

Hierve el Água

Se estiver em Oaxaca (seja no Dia dos Mortos ou não), não deixe de dar um pulo no Hierve el Água, uma das principais atrações naturais do México. Leia nosso post completo aqui contando como é:

Este slideshow necessita de JavaScript.

É isso, pessoal! Curtiram a tradição do Dia dos Mortos?

Para conhecer mais festas bacanas sobre o mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

2 comentários sobre “Vivendo o Dia dos Mortos em Oaxaca (México)

  1. Eu tô querendo viajar ano que vem pra acompanhar essa festa, no meu roteiro está Cidade do México, Puebla e depois Oaxaca.

    Está bom dessa maneira ou vocês acham que é bobeira passar em Puebla?

    Abraços meuz queridos e boa viagem.

    1. Olá Luna!
      Vale a pena conhecer Puebla sim, é uma cidade muito bonita e tem uma história muito importante para o México. Recomendamos passar pelo menos 3 noites lá, e assim poder também conhecer o bonito povoado de Cholula que fica lá perto.

      Abraços e boa viagem pra você também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *