Vivenciando o Thaipusam em Kuala Lumpur

O thaipusam é um dos maiores festivais da religião hindu. Durante sua passagem, algumas pessoas entram em estado de transe e chegam até a realizar sacrifícios físicos.

Nós tivemos o privilégio de participar desta celebração na Malásia, e aqui contamos como é!

Câmbio oficial (fev/2018):
1 real = 1,23 myr
1 dólar = 3,90 myr
1 euro =4,86 myr

Thaipusam
Thaipusam

O thaipusam acontece durante a lua cheia do mês thai (jan/fev) do calendário Tamil, e é celebrado em lugares onde a comunidade hindu é grande, como Índia, Sri Lanka, Malásia e Singapura. Nós tivemos a oportunidade de participar na Malásia, onde ocorre um dos maiores thaipusams fora da Índia.

O nome Thaipusam é a combinação da palavra thai (mês que ocorre o evento) com pusam, que é o nome de uma estrela. O festival acontece quando a pusam está em seu ponto mais alto no céu.

Segundo a tradição, o festival comemora o dia em que a deusa hindu Parvati entrega uma lança a Murungan. Com esta lança, Murungan é capaz de derrotar o demônio maligno Soorapadman. Algumas vertentes do hinduísmo acreditam também ser esta a data do aniversário do Murugan.

Duranto o thaipusam, muitos participantes realizam sacrifícios. O mais comum é raspar a cabeça ou caminhar horas descalço sob o asfalto quente carregando jarros de leite em oferenda a Murugan. Há alguns que vão um pouco além, perfurando partes do corpo com a lança de Murugan ou prendendo argolas com corrente às costas para carregar objetos pesados. Não é raro ver os participantes em estado de transe absoluto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quando ocorre?

O festival ocorre entre o fim de janeiro e o começo de fevereiro. É preciso estar atento às fases da lua para saber a data exata. Em 2018, quando participamos, a celebração aconteceu entre os dias 29 de janeiro e 1 de fevereiro.

Turistas são bem-vindos?

Sim. Os participantes não se importam com os estrangeiros e suas câmeras, desde que você respeite a tradição. A maioria, inclusive, fica muito orgulhosa em mostrar a sua celebração para as pessoas de fora.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Quanto custa?

Não se paga absolutamente nada para participar do Thaipusam. Muito pelo contrário: eles fazem questão de oferecer comida, água e leite de graça a todos os participantes.

Comida grátis oferecida durante o thaipusam
Comida grátis oferecida durante o thaipusam

O Thaipusam de Kuala Lumpur

Em Kuala Lumpur, o festival acontece nas Batu Caves. Durante os dias do evento, o trem funciona às 24 horas.

Em 2018, ano em que participamos, os primeiros preparativos começaram na noite do dia 29 de janeiro, no templo hindu Sri Mahamariamman (rua Tun H S Lee, China Town). Nesta noite, a estátua de Murugan foi banhada com água de coco e caldo de cana, em um ritual acompanhado por muita música.

Às 22h, a estátua foi transladada para uma carruagem prateada. À frente desta carruagem, uma dourada seguia levando a estátua de outras divindades.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As carruagens, seguidas por uma multidão mesclada de hinduístas e turistas, começou então seu caminho com destino às Batu Caves. A viagem seria de aproximadamente 15 quilômetros, e o horário previsto de chegada era às 14 horas do dia seguinte (eles param para dormir).

No dia 30 nós partimos para as Batu Caves, a fim de esperar a chegada das carruagens. Chegamos por volta das 13h e almoçamos em umas barraquinhas locais (cada prato saiu por 4 MYR). Já havia bastante gente por ali, mas longe de ser uma multidão.

Depois de comer, fomos para a rua. Aos poucos, pequenos grupos de religiosos chegavam, tocando instrumentos e cantando. No meio destes grupos sempre havia alguém em transe realizando algum tipo de sacrifício. Vimos que muita gente se aproximava destas pessoas pedindo proteção.

Este slideshow necessita de JavaScript.

As carruagens chegaram por volta das 16 horas, acompanhadas por uma multidão não muito grande. Porém, assim que chegaram aos portões, foram cercadas por muitas pessoas que levavam uma cesta de frutas. Vimos que, no meio das frutas, havia um coco aberto, que era subido à carruagem e queimado. O coco, em chamas, era devolvido à pessoa que o ofereceu. Esta pegava suas cinzas e passava em seu rosto e no de seus familiares.

E então, à medida que começava a escurecer, mais e mais gente chegava. Vimos alguns carregando pesados troncos, outros dançando freneticamente, outros com a boca e a língua perfuradas. Vimos até uma mulher que veio rolando por quilômetros até chegar às Batu Caves. Todas essas pessoas subiam as escadarias até o templo dentro da caverna principal, e lá descansavam e meditavam, antes de voltarem para a casa.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Não participamos dos dias seguintes, mas vimos que o dia 31 seria dedicado para a meditação, e o dia 1° seria o regresso das estátuas para o templo da China Town.

Apesar de não termos compreendido 100% da celebração, pudemos perceber sua importância e a devoção daqueles que participaram. Sem dúvidas foi uma experiência e tanto!

Aqui deixamos um vídeo mostrando alguns momentos do Thaipusam:

É isso, pessoal! Não deixem de curtir nossa página no face para acompanhar nossa viagem pelo mundo:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

Um comentário sobre “Vivenciando o Thaipusam em Kuala Lumpur

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *