Visitando os orangotangos em Sepilok, na Malásia

Viajando pela ilha do Bornéu? Então não deixe de visitar o centro de proteção aos orangotangos de Sepilok!

Câmbio oficial (março/2018)
1 real = 1,16 myr
1 dólar = 3,86 myr
1 euro = 4,75 myr

Orangotango em Sepilok
Orangotango em Sepilok

A ilha de Bornéu (dividida entre Malásia, Indonésia e Brunei) e a ilha de Sumatra (Indonésia) são os únicos lugares do mundo onde se pode encontrar orangotangos em seu habitat natural, e este foi o principal motivo que nos levou à região.

Os orangotangos (do malaio orang hutan, que significa “homem da floresta”) são primatas enormes, inteligentes e muito fortes. A espécie do Bornéu é, inclusive, a terceira espécie de primatas mais pesada do mundo, atrás somente de duas espécies de gorila. Mas toda esta força e inteligência não foram suficientes para protegê-los do homem, e hoje estes orangotangos encontram-se em sério risco de extinção. A destruição das florestas tropicais para a plantação de palmeiras, assim como os maus tratos e o tráfico ilegal de animais acabaram isolando-os em pequenas áreas reservadas pelo governo para a proteção da espécie. Dentre elas, o centro de proteção e reabilitação de Sepilok é um dos mais importantes e o preferido pela maioria dos turistas. Aqui, aqueles que foram separados de suas mães ainda pequenos recebem todo o tratamento e o aprendizado necessários para poderem sobreviver na selva.

O dinheiro que entra pelo turismo é essencial para manter o centro funcionando. Assim, além de vê-los livres na selva, você ainda estará contribuindo para a preservação desta espécie e de outros animais que vivem na reserva.

Orangotango em Sepilok
Orangotango em Sepilok

Como chegar?

Sepilok está a cerca de 6 horas em ônibus de Kuta Kinabalu e a 45 minutos de Sandakan. Para ir desde Kuta Kinabalu, basta pegar um ônibus para Sandakan e pedir para descer no cruzamento do parque. A partir do cruzamento são 2,5km até o parque, com algumas opções de hospedagem pelo caminho. A passagem custa 43 myr.

O ideal é partir de Sandakan: as vans para o parque partem do centro da cidade às 9h, custam 6 myr e a viagem dura 45 minutos. Deixam dentro do parque. Outra opção é usar Uber ou Grab (a viagem fica em torno de 30 myr).

A van para voltar para Sandakan passa às 16h. Teoricamente há outras mais cedo, mas só passam se tiver bastante movimento (quando fomos, só teve a das 16 horas mesmo).

Este slideshow necessita de JavaScript.

Há também várias excursões para lá, embora valha a pena ir por conta própria (tanto pela economia quanto pela liberdade de ficar o tempo que quiser).

Onde se hospedar?

Se você busca opções mais econômicas, o ideal é se hospedar em Sandakan e fazer um bate-volta no parque. Além de hospedagens mais em conta (procure promoções no Agoda ou Booking: conseguimos um hotel para duas pessoas com ar condicionado e TV por 40 myr) há restaurantes a partir de 6 myr.

Outra opção é ficar em alguma pousada perto do parque. Elas custam na faixa de 15 a 20 dólares por pessoa (geralmente já incluem as três refeições). São ótimas para quem curte ficar em meio à natureza, mas não há muito o que se fazer por ali.

Estrada para Sepilok
A estrada para Sepilok. Por aí é possível encontrar algumas pousadas.

Preço da entrada

A entrada custa 30 myr para estrangeiros. Além disso, é preciso pagar 10 myr pelo uso da câmera (aparentemente este valor é só para câmeras profissionais, já que ninguém verifica se você leva alguma câmera no bolso ou não).

A entrada te permite entrar e sair do parque quando quiser durante o dia. Assim você pode ver a alimentação dos orangotangos tanto de manhã quanto pela tarde.

Junto do parque há um centro de proteção a uma espécie de urso do Bornéu. A entrada para lá também custa 30 myr (não visitamos).

Horário de funcionamento

O parque funciona das 9h às 16h, com uma pausa de 2h para almoço (das 12h às 14h). O horário de alimentação dos orangotangos é às 10h e às 15h.

Entrada de Sepilok
Entrada do parque

O parque

O parque fica em meio à selva, mas é fácil caminhar por lá, pois os caminhos são feitos por passarelas de madeira. O trecho percorrido é pequeno, e há apenas dois caminhos: um que leva ao local de alimentação dos orangotangos que ainda estão se adaptando e outro que leva para um centro de treinamento, onde há um parquinho para os orangotangos jovens desenvolverem suas habilidades. Neste centro de treinamento você pode vê-los através do vidro.

Também havia uma trilha de 5km no parque, mas quando fomos estava fechada (provavelmente para evitar possíveis problemas com turistas que encontram orangotangos pelo caminho e ficam com medo).

O parque conta com uma cafeteria, banheiros e guarda-volume (grátis). Do lado de fora do parque há alguns restaurantes simples e econômicos.

Horário de alimentação de Sepilok
Hora do lanche!

Nossa visita

Nós fomos para o parque de ônibus e chegamos pouco antes das 10h. Corremos para comprar as entradas e deixar nossa mochila no guarda-volumes, pois queríamos ver a alimentação, já que supostamente a probabilidade de ver um orangotango neste horário é maior.

Chegamos bem a tempo de ver o funcionário levando comida (bananas e cana-de-açúcar). Havia muitos turistas por ali, e foi difícil conseguir um bom lugar. Mas, para nossa decepção, não apareceu orangotango nenhum. Vimos um longe, no topo de uma árvore, mas ele não se animou de descer para comer.

Saímos para dar uma volta e conhecer o centro de treinamento. Ali havia dois orangotangos, além de outros macacos. Estes eram jovens e ainda estavam desenvolvendo suas habilidades. Era bem cômico vê-los disputando espaço e saltando entre as cordas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por volta das 11h voltamos para o local de alimentação a fim de ver se daríamos sorte. E demos: primeiro apareceram diversos macacos para comer a comida que os orangotangos não quiseram. Eles brigavam entre si, disputavam a liderança, os pequenos se aproveitavam de sua maior agilidade para roubar a comida dos maiores e tudo mais. Cena digna dos documentários da National Geographic.

Aos poucos eles se foram, e os turistas também. Mas nós fomos teimosos e resolvemos esperar até o fim. E valeu a pena: aquele orangotango do topo das árvores desceu e veio até pertinho de nós. Caminhou inclusive pelo corrimão, para alegria dos poucos turistas que ainda restaram.

E então, às 12h, o parque fechou. Fomos para fora esperar o ônibus de volta, quando nos avisaram que um orangotango havia fugido da reserva e estava ali perto. Corremos para o local e pudemos vê-lo a menos de 1 metro de distância. Os treinadores tentavam chamar sua atenção para que ele voltasse para o centro de reabilitação, enquanto uns poucos turistas sortudos aproveitavam para por suas câmeras para funcionar. O orangotango não estava nem aí para ninguém: saltava de galho em galho, comia plantas, quebrava algumas árvores – enfim, estava se divertindo muito. Só depois de alguns minutos de show que ele finalmente obedeceu seus treinadores e voltou caminhando para o parque.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Voltamos para o ponto e esperamos a van. Ela não veio. Comemos uns sanduíches que levamos e nos avisaram que a van só passaria às 16h, e que poderíamos entrar novamente no parque para passar o tempo. Seguimos o conselho, e agradecemos à van por não haver passado: desta vez dois orangotangos desceram para comer, e praticamente não havia turistas. Os outros macacos também apareceram, e houve uma pequena disputa pelo poder. Os orangotangos, claro, saíram vencedores, e comeram até não aguentar mais. Depois, com aquele típico jeitinho cômico, foram embora, deixando as sobras para os outros macacos.

O ônibus veio às 16h e voltamos para Sandakan.

Este slideshow necessita de JavaScript.

É isso, pessoal! Curtiram a dica do lugar?

Se estiverem no Bornéu, não deixem também de visitar Brunei e a reserva natural de Bako.

Para mais dicas bacanas e acompanhar nossa viagem pelo mundo, curta nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

2 comentários sobre “Visitando os orangotangos em Sepilok, na Malásia

  1. Queria deixar meu muito obrigado por produzirem esses conteúdos de qualidade aqui no site, sou imensamente grato a vcs. Fiz uma viagem de 3 pelo chile e peru e consegui montar meu roteiro e sentir confiante pra viagem graças a vcs, mais uma vez meu muito obrigado pelas dicas detalhadas e que ajudam várias pessoas, que Deus abençoe e guarde vcs sempre.

    1. Olá Leandro!
      Nós é que agradecemos por acompanhar nossa página. Ficamos muito felizes que nossas dicas tenham ajudado. Abraços e que Deus te abençoe também!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *