O que fazer em Huaraz, a porta de entrada para o Parque Nacional Huascarán

A beleza da Cordilheira Branca tem atraído cada vez mais brasileiros a explorar as belezas andinas do norte do Peru. Uma das portas de entrada para este lugar é a cidade de Huaraz, e aqui compartilhamos com vocês todas as dicas para esta cidade!

Referência (jun/2016)
1 real = 0,89 soles
1 dólar =3,31 soles

Huaraz possui pouco mais de 120 mil habitantes, e é a capital da província peruana de mesmo nome. Apesar de ter sido fundada em 1574, esta é uma cidade moderna, e poucos edifícios coloniais se encontram de pé. Isso porque um forte terremoto, ocorrido em 1970, destruiu quase toda Huaraz.

Hoje, esta cidade é a principal porta de entrada para quem quer conhecer o Parque Nacional Huascarán, um dos mais bonitos da América do Sul e declarado como Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Tivemos a oportunidade de passar quase 1 semana nesta região, e vamos compartilhar com vocês tudo o que aprendemos por aqui!

Cidade de Huaraz, com a Cordilheira Branca como plano de fundo
Cidade de Huaraz, com a Cordilheira Branca como plano de fundo

Segurança

Huaraz é uma cidade bastante segura, principalmente na região da Plaza de Armas. Pelas ruas se veem turistas de todos os cantos do mundo circulando tranquilamente com suas enormes mochilas ou suas câmeras fotográficas penduradas no pescoço.

Hospedagem

O melhor lugar para se hospedar em Huaraz é próximo à Plaza de Armas, onde estão os principais restaurantes, bancos e agências de excursões da cidade.

Nós tivemos o privilégio de ficar no excelente Hotel Ebony (http://www.ebony-hotel.com/), localizado na Plaza de Armas, e o primeiro hotel com 3 estrelas que ficamos em toda a viagem. Pelo excelente atendimento, localização e conforto, podemos recomendar sem medo. A ajuda que eles nos deram foi fundamental para conseguirmos explorar a região!

Se estiver em economia de guerra, procure o pessoal que oferece hospedagem quando você estiver descendo do ônibus. É possível encontrar hospedagens bem simples por valores mais econômicos (algo na faixa de 40 soles para um casal).

Hotel Ebony, em Huaraz
Depois de uma longa viagem, nada como descansar em uma cama confortável

Chegando e saindo

Não há um terminal de ônibus em Huaraz, e cada companhia tem a sua garagem. As principais agências de transporte estão na rua Cajamarca, estensão da Av. Simón Bolívar.

Um ônibus semi-leito para Lima sai entre 30 e 40 soles. Nesta mesma faixa de preço estão os ônibus para Trujillo.

Para chegar de avião, o aeroporto mais perto está na cidade de Anta, a uns 30km de Huaraz. Uma van de lá até Huaraz não deve custar mais que 3 soles por pessoa.

Informações turísticas

Há um centro de informações turísticas na frente da Plaza de Armas, do lado oposto à igreja. Aí é possível pegar um mapa da cidade e da região, além de conseguir algumas informações interessantes.

Câmbio

Há casas de câmbio em todo o canto de Huaraz, sendo o dólar a melhor moeda para trocar aqui. Se quiser fazer saques, há diversos bancos também.

Comida

Há restaurantes para todos os gostos e bolsos por toda a cidade, sendo os principais na Av. Luzuriaga.

No mercado e em alguns restaurantes simples, o menu do dia custa 5 soles (não encontramos nada mais barato). Nos restaurantes mais turísticos espere pagar entre 15 e 30 soles.

Plaza de Armas de Huaraz
Plaza de Armas de Huaraz

Altitude

Huaraz está a 3 mil metros de altitude, e alguns de seus principais atrativos na região superam os 5 mil. Isso significa que é bem provável que você sinta cansaço e até mesmo tontura nos primeiros dias.

Procure fazer os passeios mais fáceis antes, e deixar os mais pesados para quando o corpo já estiver acostumado.

Tome muita água e coma bastante chocolate. Chá de coca também é muito bom para amenizar os efeitos da altitude.

Parque Nacional Huascarán

Um dos parques nacionais mais importantes da América do Sul, este é o principal destino para quem vem a Huaraz.

A entrada para o parque custa 10 soles para um passeio de 1 dia, ou 65 soles para um passe de 21 dias.

Há vários locais para acampar dentro do parque, e é possível percorrê-lo sem guia (ainda que as agências e o centro de informações turísticas digam o contrário). Para se aventurar por conta própria, porém, é necessário uma boa experiência em trilhas, e de preferência levar um GPS, já que alguns caminhos não são bem marcados.

O que fazer em Huaraz?

Há muito o que explorar nesta região, seja para apreciar a natureza ou para conhecer sítios arqueológicos bem interessantes. Aqui estão os lugares que conhecemos:

Ruínas de Chavín

Chavín foi uma civilização muito importante, que chegou a dominar religiosamente grande parte da região atual do Peru e alguns territórios do Equador e Bolívia. Surgiu por volta de 1500 a.C., e foi uma das mais avançadas em conhecimentos astronômicos do mundo. Hoje, o lugar é um dos Patrimônios da UNESCO do Peru.

Cabeça esculpida em Chavin
Cabeça esculpida em Chavin

Os tours para Chavín duram 1 dia, partindo de Huaraz.
Leia tudo sobre Chavin aqui.

Glacial Pastoruri

Viajamos pela Patagônia e vimos glaciares impressionantes, como o Perito Moreno (Argentina) e o Grey (Chile), mas mesmo assim o Pastoturi nos supreendeu. Hoje, não sabemos dizer qual é o nosso favorito, e acreditamos que todos merecem o primeiro lugar.

As pessoas parecem formigas perto do glacial Pastoruri
As pessoas parecem formigas perto do glacial Pastoruri

O Glacial Pastoruri está dentro do Parque Nacional Huascarán, e é um passeio imperdível na região.

Leia tudo sobre o passeio a este glacial aqui.

Laguna 69

Provavelmente o destino mais procurado na região, a Laguna 69 impressiona por todo o conjunto: cor verde, água transparente e a cordilheira como plano de fundo.

Não é a toa que a Laguna 69 é considerada uma das mais bonitas da América do Sul
Não é a toa que a Laguna 69 é considerada uma das mais bonitas da América do Sul

Recomendável fazer este tour quando já estiver bem aclimatado com a altitude.

Leia tudo sobre o tour à Laguna 69 aqui.

Yungay

Yungay tem uma história triste, mas impressionante. Esta cidade foi uma das mais prósperas da região, até ser totalmente destruída por um avalanche em 1970. Suas casas, carros, praças, igreja e seus 20 mil habitantes foram literalmente sepultados vivos. O número de sobreviventes à tragédia fica em torno de 300.

Ônibus de Yungay, totalmente destruído pelo avalanche
Ônibus de Yungay, totalmente destruído pelo avalanche

Hoje, sobre o local, foi construído um bonito parque, onde ainda se podem ver algumas ruínas da igreja e alguns veículos totalmente destruídos.

Leia tudo sobre Yungay aqui.

 

E isso foi o que conhecemos na região!
Esperamos que nossas dicas possam ajudar vocês a planejar sua viagem. Qualquer dúvida, só perguntar! 🙂

Leia também nosso post com todas as dicas sobre o Peru aqui:

Para acompanhar nossa viagem de volta ao mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial