Napalm Girl – A história da foto da menina correndo na Guerra do Vietnã

Você pode nem se interessar pela Guerra do Vietnã, mas com certeza já viu a foto da menina sem roupas correndo desesperada pela estrada. Aqui contamos a história por trás dela.

A icônica foto da “Napalm Girl” na Guerra do Vietnã. Créditos: AP/Nick Ut

Antes de mais nada, é bom deixar claro que, como qualquer história sobre guerras, esta também tem várias versões. O ex-presidente dos EUA Richard Nixon inclusive duvidou da autenticidade da foto, alegando se tratar de uma possível montagem. A versão que escrevemos aqui é a contata pela menina e pelo fotógrafo.

A foto foi tirada em 1972. A menina em questão – chamada Kim Phuc – tinha 9 anos na época. Ela vivia com sua família em uma vila chamada Trảng Bàng, no sul do Vietnã, a cerca de 60 km da cidade de Saigon (atual Ho Chi Minh). O exército comunista do Vietnã do Norte avançava pelas redondezas. Prevendo um possível conflito armado na vila, a família de Kim Phuc decidiu se refugiar em um templo Cao Dai, achando que ali estariam seguros. Mas a realidade foi bem diferente.

O Exército do Sul, tentando conter o avanço dos comunistas, lançou algumas bombas na região. Mas erraram o alvo e acertaram a vila de Trảng Bàng (ainda há discussões se o bombardeio foi feito pelo Exército do Sul ou pelos EUA). As bombas jogadas foram bombas napalm, que soltam uma espécie de gel incendiário, e queimam a temperaturas de mais de 1000°C. Uma destas bombas atingiu o templo. Com o corpo em chamas, Kim Phuc e outras crianças saíram correndo para a estrada. Sua roupa se queimou por completo, motivo pelo qual ela está nua na foto.

 

Templo onde se escondeu a "Napalm Girl"
Mucuvinha em frente ao templo onde a família de Kim Phuc se escondeu.

O fotógrafo, chamado Nick Ut, conseguiu dar o clique que lhe rendeu o prêmio Pulitzer da fotografia. Depois de fazer o registro, Nick teria ajudado Kim e o outro menino que aparece na foto, jogando água em suas queimaduras e providenciando o transporte deles até o hospital. Ao chegar ao hospital, foi informado de que as crianças não seriam atendidas. Nesta hora Nick mostrou seu passe de imprensa e ameaçou tornar público o descaso do hospital caso as crianças morressem. Isso foi suficiente para que eles fossem atendidos.

Kim ficou com grande parte de seu corpo queimado, mas sobreviveu. Depois disso se tornou uma espécie de celebridade, sendo procurada frequentemente por jornalistas e curiosos.

Kim cresceu e sonhava em ser médica, mas a fama toda atrapalhou seus estudos, obrigando-a a se mudar para Cuba, onde pôde estudar com mais privacidade. Lá conheceu seu futuro marido, e hoje eles vivem uma vida normal no Canadá.

Estrada por onde correu Kim Phuc
Como está a estrada atualmente

Depoimento

O seguinte depoimento foi dado por Kim Phuc à BBC:

Em 1972, os americanos lançaram uma bomba de napalm em meu povoado, no sul do Vietnã. Um fotógrafo, Nick Ut, tirou uma foto minha fugindo do fogo, a foto que hoje é tão famosa. Eu me lembro que tinha 9 anos, era apenas uma menina. Naquela noite, nós do povoado havíamos ouvido que os vietcongues estavam vindo e que eles queriam usar a vila como base. Então, quando já era dia, eles vieram e iniciaram os combates no povoado. Nós estávamos muito assustados. Eu me lembro que minha família decidiu procurar abrigo em um templo, porque nós acreditávamos que lá era um lugar sagrado. Nós acreditávamos que, se nos escondêssemos lá, estaríamos a salvo. Eu não cheguei a ver a explosão da bomba de napalm; só me lembro que, de repente, eu vi o fogo me cercando. De repente, minhas roupas todas pegaram fogo, e eu sentia as chamas queimando meu corpo, especialmente meu braço. Naquele momento, passou pela minha cabeça que eu ficaria feia por causa das queimaduras, que eu não ia mais ser uma criança como as outras. Eu estava apavorada, porque de repente não vi mais ninguém perto de mim, só fogo e fumaça. Eu estava chorando e, milagrosamente, ao correr meus pés não ficaram queimados. Só sei que eu comecei a correr, correr e correr. Meus pais não conseguiriam escapar do fogo, então eles decidiram voltar para o templo e continuar abrigados por lá. Minha tia e dois de meus primos morreram. Um deles tinha 3 anos e o outro só 9 meses, eram dois bebês. Então, eu atravessei o fogo.

Foto atual de Kim mostrando as queimaduras de seu corpo. Créditos: AP Photo/Nick Ut

Curiosidades

  • Kim e Ut são amigos até hoje. Kim o chama carinhosamente de “Tio Nick”;

  • A foto quase foi censurada na época por mostrar nudez. Recentemente o Facebook também baniu as fotos de sua rede social. Depois de receber várias críticas por isso, a postagem desta foto voltou a a ser permitida;

  • Nick Ut continuou sua vida de fotógrafo, registrando guerras e celebridades. Vive em Los Angeles e aposentou-se recentemente;

  • Muitos acreditam que esta foto foi essencial para que a Guerra do Vietnã chegasse ao fim, pois influenciou bastante a opinião pública na época;

  • Desde 1997 Kim Phuc é embaixadora da Boa Vontade pela UNESCO;

  • Nick Ut começou sua vida de fotógrafo aos 15 anos, seguindo os passos do irmão mais velho (que foi morto durante a guerra);

  • O uso de bombas napalm é proibido pela Lei Internacional;

  • Kim se converteu ao cristianismo. Ela escreveu alguns livros que explicam as razões que a levaram a seguir esta religião.

Kim e o fotógrafo Ut nos dias atuais. Créditos: AP Photo/Jae C. Hong

O local

É difícil achar o local exato da foto, já que lá não é de fato uma atração turística. Alguns tours levam a um templo mais famoso e dizem que foi nele que a Kim Phuc se escondeu. Mas, depois de tanto pesquisarmos, achamos a localização exata. É esta:

https://www.google.com/maps/place/Cao+Dai+Temple+of+Trang-Bang/@11.0332417,106.3633029,18z/data=!4m5!3m4!1s0x310b2f997d2caad9:0xcafd39e38bafce91!8m2!3d11.0332417!4d106.3643973

A estrada por onde ela correu se modernizou e está bem diferente, mas não deixa de ser um local interessante para se visitar.

Aqui está um vídeo que fizemos no local:

É isso, pessoal! Para mais histórias bacanas, acompanhem-nos em nossas redes sociais:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *