Mochilão pela Colômbia – roteiro, gastos, dicas, fotos, etc

Considerado um dos países mais felizes do mundo, as portas da Colômbia foram abertas ao turismo há relativamente pouco tempo. Venha conhecer e se surpreender com as incontáveis belezas deste país!

Câmbio oficial (março/2017)
1 real = 945 pesos colombianos
1 dólar = 2900 pesos colombianos

Carnaval em Barranquilla
Carnaval na Colômbia

Colômbia

De todos os países que visitamos na América do Sul, a Colômbia é o mais parecido com o Brasil: seu povo alegre e festeiro, suas florestas exuberantes, suas praias de água cristalina e suas belas cidades colonias (além do excelente café) vão te fazer se sentir em casa o tempo todo.

Por conta do passado turbulento recente, as portas da Colômbia foram completamente abertas ao turismo somente recentemente. E não demorou para o país cair na graça dos estrangeiros: hoje, em praticamente todos os cantos é possível ver viajantes dos mais diversos perfis, desde mochileiros mais apertados até turistas bem endinheirados. E não é pra menos: com tantas belezas naturais, culturais e arquitetônicas, este é um dos países que gostaríamos de morar.

Obra do célebre artista paisa Fernando Botero, em Medellín, a cidade mais inovadora do mundo

Guerrilhas, nacrotráfico, paramilitares: entenda a situação atual do país

Por muito tempo, viajar por diversas regiões da Colômbia era impossível, devido aos altos índices de violência nas estradas. Colombianos que quisessem ir passar as férias na praia de carro precisavam esperar os comboios formados pelo exército. Nos tempos de Pablo Escobar, a cidade de Medellín foi considerada a mais perigosa do mundo, e turistas eram proibidos de visitá-la.

Felizmente, tudo isso está enterrado no passado. Hoje é possível percorrer praticamente o país inteiro de ônibus e, tomando os devidos cuidados, você se sentirá muito mais seguro na Colômbia do que no Brasil. Nós mesmos custamos a acreditar nos diversos depoimentos que escutamos, contando como era o país há poucas décadas atrás.

As guerrilhas, como FARC e ELN, que já aterrorizaram muitos turistas com sequestros, hoje apenas dominam áreas bem isoladas, e já estão com os dias contados. Em 2016, acordos de paz entre as FARC e o governo desarmaram diversos guerrilheiros e renderam ao presidente Santos o Prêmio Nobel da Paz. Isso deve colocar fim a uma guerra que já durava mais de 50 anos.

Como em todo lugar, traficantes de drogas ainda existem, mas com poderes bem mais limitados que nomes como Pablo Escobar, por exemplo.

Enfim, se quiser se aventurar pela Colômbia, pode ir sem medo. Tome os cuidados básicos que se deve tomar em qualquer outro país que tudo sairá excelente!

Mucuvinha na lápide de Pablo Escobar, em Medellín

Lugares e experiências que passamos

Paradisíaca praia de CapurganáParadisíaca praia de Capurganá
Paradisíaca praia de Capurganá

Roteiro

Aqui está nosso roteiro pelo país:

Mochilão pela Colômbia
Nosso recorrido pela Colômbia

Escrevendo este post, até levamos um susto: passamos mais de 4 meses neste país, que passaram tão rápido que nem sentimos!

Com este recorrido, exploramos praticamente todos os cantos do país. Ainda tiveram alguns lugares que queríamos mas não conseguimos visitar, como o Parque Tayrona, a Cidade Perdida e o sítio arqueológico de San Augustín. Mas tudo bem, fica pra próxima visita!

Os números desde mochilão foram:

  • 131 dias
  • 9870,07 reais gastos*

Sobre os gastos*, ficou assim:

  • Hospedagem: R$ 2716,09
  • Transporte: R$ 2289,99
  • Mercado: R$ 2892,35
  • Restaurante: R$ 1008,80
  • Passeios: R$ 223,31
  • Outros: R$ 560,07

*(todos os gastos são para o casal; para saber os gastos individuais, divida por 2).

A média diária* ficou:

  • Média: R$ 75,34/dia
  • Hospedagem: R$ 20,73/dia
  • Hospedagem (excluindo os dias que dormimos de graça): R$ 29,52/dia
  • Transporte: R$ 17,48/dia
  • Mercado: R$ 22,08/dia
  • Restaurante: R$ 7,70/dia
  • Passeios: R$ 1,70/dia
  • Outros: R$ 4,28/dia

*(todos os gastos são para o casal; para saber os gastos individuais, divida por 2).

Distribuição dos nossos gastos na Colômbia
Distribuição dos nossos gastos na Colômbia

A distribuição das hospedagens foi assim:

  • Pagas: 92
  • Grátis: 37
  • 2 não entraram na conta porque foram os dias em que cruzamos a fronteira e dormimos em outro país.

Os locais onde dormimos foram:

  • Hotel/hostel: 82
  • Casa de amigos: 40
  • Camping pago: 3
  • Camping selvagem: 1
  • Ônibus: 3
Onde dormimos na Colômbia

Preços

Apesar do país ser visivelmente bem avançado social e economicamente, a Colômbia ainda é bastante econômica se comparada ao Brasil. Abaixo descrevemos alguns gastos:

  • Hospedagens: Uma cama em um hostel básico, mas com um bom serviço, fica na faixa de 20 a 25 mil por pessoa (valor que geralmente inclui café da manhã). Em lugares mais turísticos, como Cartagena, esta média costuma subir para uns 45 mil.
    Se quiser economizar ao máximo, a dica é perguntar para os músicos e artesãos na rua por hospedagens clandestinas. Neste esquema encontramos hospedagem em Cartagena por até 10 mil por pessoa (de péssima qualidade, mas se o objetivo for economizar…).
    Casais levam vantagem pela Colômbia: um quarto matrimonial com banheiro privado em um hotel simples costuma ficar entre 30 e 45 mil (ou seja, mais barato que duas camas no hostel).
  • Mercado: O preços dos supermercados na Colômbia são, no geral, inferiores aos do Brasil. Frutas e verduras costumam ser bem mais baratas. Eletrônicos são um pouco mais baratos (se estiver pensando em comprar um celular, tablet ou computador novo, vale a pena dar uma olhada por lá). Carnes de frango e porco geralmente custam a mesma coisa, e derivados da vaca (carne, leite, queijo) costumam ser bem mais caros na Colômbia.
    Para dar uma ideia, o quilo da coxa de frango fica em 6 mil; o da chuleta de porco, 10 mil; do tomate e da banana, entre 1500 e 2 mil. 1 litro do leite mais barato fica na faixa de 1800.
  • Transporte: Com pedágios em todo o canto, os ônibus na Colômbia são caros. A média costuma ficar entre 7 e 10 mil por hora viajada. O problema é que em 1h não se avança muita coisa: em alguns trechos, uma distância de 300 km é percorrida em mais de 7 horas.
    Na Colômbia há companhias aéreas baratas, como a Vivacolombia e a Wingo. Em muitos casos fica mais barato pegar um avião que um onibus.
    Outra dica é chorar o preço: mesmo em lugares improváveis, como no guichê da rodoviária, é possível conseguir uns 20% de desconto, principalmente se estiver viajando em mais pessoas.
    Em algumas cidades há ônibus que saem do lado de fora do terminal. São bem mais baratos, mas costumam ser bem pinga-pingas.
    Dentro das cidades, a passagem de ônibus geralmente fica entre 1500 e 3 mil.
    Táxis são baratos, mas não costumam usar taxímetro. Convém combinar o preço antes de subir.
  • Restaurantes: Muitos restaurantes possuem menus bastante econômicos. No sul, próximo à fronteira com o Equador, conseguimos almoçar bem por 3500. Em cidades como Bogotá e Medellín, os mais econômicos custam a partir de 6 mil pesos, e na costa os valores já sobem para algo entre 8 e 12 mil.
  • Bebidas: Beber cerveja na Colômbia é barato: uma garrafa de 700ml das mais populares (Águila e Poker) costuma ficar na faixa de 2500 e 3 mil pesos. O problema é que são difíceis de achar: a maioria dos estabelecimentos vende somente lata e longneck (na faixa de 1500 e 2 mil). A cerveja Club Colombia é uma Premium, e costuma custar uns 20% mais cara que as populares.
    Nas baladas e bares mais turísticos, uma longneck costuma ficar na faixa de 6 mil pesos.
    Destilados baratos são difíceis de achar (não encontramos nada que custasse menos de 30 mil o litro), mas os que costumam ser caros no Brasil (tequila, amarula, wisky) são um pouco mais baratos na Colômbia.
A colorida Cartagena

Dinheiro

Em Bogotá e em destinos bastante turísticos (como Cartagena) é possível trocar reais por uma cotação boa. Nos lugares menos populares entre brasileiros, é mais fácil trocar dólar. O ideal é levar uma combinação dos dois, caso vá viajar por todo o país.

Troque sempre o dinheiro nas casas de câmbio. Há alguns cambistas de rua que oferecem valores muito melhores, mas costumam ser golpistas, e tentarão ou te passar notas falsas ou te dar um valor menor que o combinado.

Os caixas eletrônicos abundam no país, e geralmente cobram taxas bem pequenas para saques no débito de cartões estrangeiros. No nosso caso (que usamos o Santander), o banco mais vantajoso era o Bancolombia. O Banco de Bogotá também costuma cobrar taxas pequenas, e o interessante dele é que é possível ver quanto vai ser descontado em reais (sem incluir o IOF) antes de confirmar o saque.

Polícia

Chegamos a escutar depoimentos sobre viajantes que cruzaram o país de carro e foram vítimas de policiais corruptos.

Nós não pudemos dar fé disso. Muito pelo contrário: nos poucos contatos que tivemos com a polícia colombiana, eles sempre foram bastante atenciosos e prestativos.

Vale de Cocora, no Eje Cafetero colombiano

Água

Em muitas cidades colombianas, a água da torneira é própria para o consumo humano. Sempre pergunte no seu hotel ou hostel sobre a condição da água, pois esta pode ser uma forma de economizar uma graninha.

Se precisar ou preferir comprar água mineral, a dica é pedir água em bolsa: é possível encontrar bolsas de 350 ml por 300 pesos, e bolsas de 6 litros por menos de 3 mil.

Uma garrafa de 1 litro geralmente custa entre mil e 2 mil pesos.

Rede elétrica

As tomadas no país são no formato dos Estados Unidos, com dois pinos chatos. Não estranhe se elas não encaixarem direito ou não estiverem funcionando: este é um problema comum em muitos hotéis do país.

A rede elétrica é de 110V, 60Hz.

Carona

É possível viajar o país inteiro de carona, embora não seja uma tarefa fácil. Nós mesmo não conseguimos nenhuma vez. Além de ser incomum, as estradas possuem muitos cruzamentos, e é bem possível que o carro esteja indo para um destino diferente do seu.

O bom é que os ônibus costumam parar para quem está na estrada. Assim, caso não consiga nada, basta acenar para o próximo ônibus que passar.

Pedir carona conversando com os motoristas nos postos de gasolina costuma ser bem mais eficiente do que ficar parado com o polegar levantado.

Quer mais dicas sobre viajar de carona? Leia nossa experiência pela América do Sul aqui.

Santuário de Las Lajas, no sul do país

O povo

Com uma boa mistura de negros, índios e europeus, os traços do colombiano são muito parecidos com o dos brasileiros, fazendo com que você acabe passando despercebido por lá.

Essa mistura também criou um povo bastante alegre e simpático, e muitas vezes você se encontrará em uma longa conversa durante uma viagem de ônibus ou metrô.

Os colombianos também são muito prestativos para dar informações – se estiver perguntando sobre uma rua ou algum endereço, é possível que te levem até o seu destino.

Outra característica do colombiano é que ele é reconhecido, segundo o estudo da Happy Planet, como o povo mais feliz da América do Sul e o terceiro mais feliz do mundo. Se quiser conhecer mais sobre esta pesquisa, leia nosso post aqui.

Apesar de toda a simpatia e hospitalidade, não é raro ver pessoas furando a fila nos supermercados ou cometendo imprudências no trânsito.

Música

Além dos sucessos da Shakira, a Colômbia apresenta uma grande variedade musical, sendo os principais gêneros a salsa, o reggaeton e o vallenato.

Alguns nomes importantes da música colombiana são Joe Arroyo (salsa) e Carlos Vives (vallenato), provavelmente o cantor de mais sucesso no país.

Este clipe de Carlos Vives, feito com vários outros artistas nacionais, mostra paisagens muito bonitas do país:

Drogas

O porte ou consumo de qualquer tipo de droga na Colômbia é crime, mas as autoridades costumam fazer vista grossa em destinos com muitos mochileiros e locais considerados mais hippies. Se vale o risco ou não, a decisão é sua.

Comida

As ofertas de carne, grãos, frutas e veduras são parecidas com as do Brasil, o que faz com que a comida seja bastante semelhante. Os menus típicos geralmente são compostos por arroz, feijão, um pedaço de carne (geralmente frita), salada e patacones (um tipo de banana salgada, achatada em rodelas e frita). Os pratos costumam vir acompanhados de suco e com uma sopa de entrada.

Na costa, um prato típico é o arroz de coco, que combina bem com pescado.

Outra comida típica do país é a arepa, que parece um pão sem fermento, feito com farinha de milho. Algumas não tem sabor nenhum e acompanham os menus (pelo que nos disseram, servem para limpar o paladar entre a sopa e o menu principal), e outras são vendidas nas ruas recheadas com carne, frango, queijo, presunto ou seja lá o que for.

Arroz com coco e peixe frito – comida típica da costa colombiana.

O café

Junto com o brasileiro, o café colombiano é considerado um dos melhores do mundo. Em comparação ao nosso, o da Colômbia costuma ser mais suave e ter mais sabor. É vendido em tudo que é canto e faz parte do dia a dia dos colombianos.

O café mais famoso do país é o Juan Valdéz, que possui filiais em todo o país e pode ser comparado com a rede americana Starbucks. Se visitar a Colômbia e gostar de café, você deve obrigatoriamente tomar um Juan Valdez.

Na região central do país, principalmente no Eje Cafetero, abundam as plantações de café. Se for viajar por aí, você com certeza visitará alguma delas.

Mucuvinha observando as pinturas grifadas nas paredes de Tierradentro

Idioma

De todos os países por onde passamos, o espanhol falado na Colômbia foi o mais difícil de entender (sim, conseguem ganhar dos chilenos). Em algumas regiões eles falam com bastante clareza, mas na maioria (principalmente na costa), entendê-los é uma tarefa difícil para estrangeiros, mesmo para aqueles que vem de países onde o espanhol é a língua nativa.

Uma característica interessante é que eles costumam comer o “d” da última sílaba. Assim, lado fica la’o, asado fica asa’o e partido fica parti’o. Não estranhe se ler algumas palavras escritas desta forma.

Outra coisa que chama a atenção no país é a formalidade: os pais, as mães e as pessoas mais velhas são chamadas de señor e señora, assim como o usted é empregado no lugar do tu entre pessoas que não possuem muita intimidade.

O ll e o y possuem sons distintos dependendo da região, podendo soar como “lh”, “i” e até “dj”.

Algumas palavras e expressões que você deve conhecer:

  • Que pena! – significa desculpa. Isso pode irritar um pouco no começo (a pessoa esbarra em você e diz que pena em vez de pedir desculpas), mas com o tempo você entende que esta é uma forma de se desculpar no país.
  • Regálame – Isso é outra coisa curiosa. Nos outros países, se você disser regálame tal coisa, você está pedindo tal coisa de graça. Mas na Colômbia é comum pedir um almoço ou algo em uma loja usando esta expressão (e vão entender que você pretende pagar).
  • Que gonorréa! – expressão bastante usada entre os jovens. Significa algo como “que bosta“.
  • Vaina – palavra usada no mesmo sentido que coisa. Por exemplo: “Esta vaina no funciona!”. Também usam a expressão “Que vaina!” no mesmo sentido que nós usamos “que coisa!”.
  • Chévere – expressão usada no mesmo sentido do nosso bacana.

Esporte

O esporte número 1 dos colombianos é o futebol, e eles costumam vibrar tanto nos jogos nacionais quanto nos campeonatos europeus.

Sexta-feira a noite em Cali

Segurança

As praias, os parques e as cidades pequenas costumam ser bem seguras, inclusive para quem quer acampar de forma selvagem.

Em cidades grandes, como Cali, Medellín e Bogotá, há que se tomar os cuidados básicos de qualquer cidade grande.

Nos lugares muito turísticos, como Cartagena, há que cuidar com golpes aplicados a turistas, principalmente nas praias. É comum te oferecerem uma massagem ou uma comida de graça e depois quererem cobrar (e caro). Recuse qualquer oferta grátis nesses lugares.

Água fria

Poucos hotéis na Colômbia possuem banheiros com ducha de água quente. Isso pode até ser dispensável na costa, mas já tivemos que tomar banho de água fria mesmo em cidades onde a temperatura é baixa.

Se você não abre mão de um chuveiro quentinho, confirme isso antes de fazer a reserva ou o check-in. Mesmo alguns hotéis de luxo não fornecem este serviço.

Mucuvinha no deserto de Tatacoa

Camas duras

Outra coisa bem característica dos hotéis da Colômbia é terem a cama bem dura (algumas até que parecem nem ter colchão). Isso costuma ser bom para a coluna e não nos impediu de ter noites de sono boas por lá, mas se você faz questão de um colchão fofinho, é bom pedir para ver o quarto antes de registrar a sua entrada.

Imigração

Brasileiros podem viajar pela Colômbia utilizando somente a identidade (desde que ela tenha sido emitida há menos de 10 anos), e ganham um visto de 90 dias, renováveis por mais 90. Como regra geral, é necessário ter uma passagem de saída do país, mas isso raramente é pedido.

Higiene

Os padrões de higiene da Colômbia são bem parecidos com os do Brasil. Dificilmente você terá surpresas por lá.

Rio las Gachas, em Guadalupe

Trânsito

Os motoristas colombianos costumam respeitar os pedestres, mas não os outros motoristas. Às vezes parece que preferem bater o carro a deixar que outro entre na sua frente. As cidades grandes com centros históricos (como Cartagena e Santa Marta) possuem ruas bem estreitas e poucos lugares para estacionar. Nas horas de pico, o trânsito para por completo nas metrópoles. Além disso, poucos hotéis econômicos possuem estacionamento.

Se está pensando em alugar um carro por lá, leve tudo isso em consideração. O transporte público funciona bem em quase todas as cidades e os táxis são econômicos, o que torna o aluguel do carro ainda menos interessante.

Descontos

Pedir desconto em ônibus, hotéis e alguns tours costuma dar resultado, principalmente se estiver em grupo. Em Barranquilla, por exemplo, conseguimos desconto até mesmo nos ônibus de linha (a passagem custava 2 mil, mas nos fizeram as duas por 3 mil).

Fique atento que algumas pessoas costumam subir o preço quando percebem que você é estrangeiro (isso é muito comum nos ônibus da costa). Procure confirmar o valor com os outros passageiros.

La Candelária, o centro de Bogotá

O que mais você precisa saber

  • Se for pedir um chocolate quente em algum lugar, convém confirmar se é com leite. Pode parecer engraçado, mas os colombianos tem costume de tomar Milo (equivalente ao nosso nescau) com água.
  • Preste muita atenção nos preços dos supermercados. É muito comum os produtos estarem com os valores errados. Convém confirmar os valores naquelas máquinas de consultar o preço com o código de barras, mas já vimos situações em que até mesmo elas mostram um valor diferente do que o apresentado no caixa.
  • Na Colômbia é comum mostrarem o preço das frutas, verduras e carnes em libras (que dá pouco menos que meio quilo). Preste atenção nisso caso algo pareça estar muito barato.
  • Em várias praças colombianas é oferecido wi-fi gratuito. Em caso de necessidade, os Juan Valdéz também são um bom lugar para conseguir internet grátis.
Catedral de Sal, pertinho de Bogotá

É isso aí pessoal! Curtiram as dicas?
Para acompanhar nossa viagem de volta ao mundo e receber mais dicas interessantes dos países que passarmos, não deixem de curtir nossa página no face!
www.facebook.com/mundosemfimoficial

10 comentários sobre “Mochilão pela Colômbia – roteiro, gastos, dicas, fotos, etc

  1. Olá boa noite, gostaria de saber qual foi a época em que estiveram na Colômbia. Tenho pesquisado e vi que dezembro e janeiro são meses bons. A página de vocês é tudo de bom.

    1. Olá Leonardo!
      Estivemos na Colômbia desde outubro de 2016 até março de 2017 (dando um pulo na Venezuela em dezembro).
      Dezembro e janeiro são meses bons sim. Se for pra lá nessa época, tente passar o ano novo em Cartagena. É uma experiência espetacular!
      Abraços!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *