Jacarta – dicas e o que fazer na capital da Indonésia

Jacarta é uma cidade enorme, movimentada, com pessoas simpáticas e muita história. Aqui te damos todas as dicas para conhecê-la!

Câmbio oficial (abril/2018)
1 real = 4 mil rúpias da Indonésia
1 dólar = 13.900 rúpias da Indonésia
1 euro = 16.900 rúpias da Indonésia

Mucuvinha no Monumento Nacional de Jacarta
Mucuvinha no Monumento Nacional de Jacarta

Com cerca de 10 milhões de habitantes, Jacarta é uma cidade grande e caótica, com ruas cheias de motos por todos os lados. A maioria dos viajantes nem para aqui: no máximo conhecem seu aeroporto enquanto esperam o voo para Bali. Mas, se você é daqueles que faz questão de conhecer cada lugar onde passa, pode reservar uns dois ou três dias para Jacarta. Temos certeza que ficará encantado com a amabilidade de seu povo e com seus inúmeros museus!

Chegando e saindo

  • Aeroporto

O aeroporto de Jacarta fica a cerca de 35km de distância do centro. A maneira mais econômica de ir e vir de lá é de ônibus: fazem o trajeto aeroporto – estação Gambir (na frente do Monumento Nacional) por 40 mil rúpias (10 reais). A viagem pode levar 1h por conta do trânsito. Os ônibus são frequentes e confortáveis.

Um táxi deve custar na faixa de 200 mil rúpias.

  • Trem

Se você pretende viajar pela ilha de Java, uma boa opção é ir de trem. Comprando com certa antecedência é possível conseguir bons preços.

As principais estações de trem são a Gambir e a Pasar Senen (distantes umas poucas quadras uma da outra). A diferença basicamente é que os trens que saem da Pasar Senen são mais baratos.

Comprar passagem de trem é fácil: basta ir em qualquer estação e comprar nas máquinas de auto-atendimento (oferecem menu em inglês). Elas recebem dinheiro e devolvem troco. É preciso inserir o número do passaporte.

Também é possível comprar ou consultar os preços pela internet, no site: https://www.tiket.com/kereta-api

Os trens (pelo menos na classe econômica, onde fomos) não são muito confortáveis para dormir, pois os assentos não inclinam nada. Leve isso em consideração caso planeje viajar de noite.

  • Ônibus

Sair de Jacarta de ônibus é um tanto complicado, pois há várias estações e estão longe do centro. Por isso, a maioria prefere os trens. A vantagem dos ônibus é que são mais confortáveis e aparentemente são mais econômicos.

Aqui listamos os principais terminais de ônibus:

Kalinderes – ônibus que vão para o oeste de Jacarta, com destinos como Merak e Labuan. É possível chegar lá em transporte público, usando o Busway Koridor 3.

Kampung Rambutan – com destinos ao sul e sudeste de Jacarta, como Bogor, Bandung e Pangandaran. Chega-se lá com o Busway Koridor 7.

Lebak Bulus – de onde saem ônibus para Yogiakarta, Bali e outros destinos de longa distância para leste. Chega-se lá com o Busway Koridor 8.

Pulo Gandung – outro terminal para ônibus de longa distância. Além de Yogiakarta e Bali, saem daqui também ônibus para a ilha de Sumatra. Chega-se com o Busway Koridor 2 e 4.

Centro histórico de Jacarta
Bicicletas para alugar no centro histórico de Jacarta

Onde se hospedar

Não há um lugar ideal para se hospedar em Jacarta, já que os destinos turísticos são afastados entre si. Uma boa região para ficar seria ao sul do Monumento Nacional, de preferência perto da Av. M. H. Thamrin. Aí há shoppings, restaurantes, lanchonetes e o transporte público passa bem em frente.

É possível conseguir hotéis muito bons e econômicos pelo Agoda. Nós ficamos em um quarto de casal com TV e ar condicionado por pouco menos que 9 dólares. O hotel onde nos hospedamos foi este aqui.

Comer e beber

É possível comer a partir de 15 mil rúpias (4 reais) nas barraquinhas de rua e restaurantes mais simples de Jacarta. Uma comida mais elaborada sairia na faixa de umas 40 a 60 mil rúpias. Em um restaurante chique espere pagar mais de 100 mil rúpias (25 reais).

Se você procura um bom lugar para beber, infelizmente terá dificuldades por aqui. A cerveja (e outras bebidas alcoólicas) é cara e difícil de encontrar. Talvez seja melhor esperar até chegar a Bali ou seja lá qual for o seu próximo destino.

Ruas de Jacarta
Ruas de Jacarta

Transporte público

É fácil se deslocar com transporte público em Jacarta. Os ônibus andam por canaletas e funcionam quase como um metrô: você paga a passagem e pode trocar de ônibus gratuitamente nas estações. A passagem custa 3500 rúpias (menos de 1 real). Em teoria é preciso fazer um cartão de transporte, mas sempre conseguimos que o pessoal do caixa nos liberasse a entrada usando o cartão deles mesmo. Note que a parte da frente dos ônibus é exclusiva para mulheres.

Os táxis também são baratos (geralmente mais vantajosos que usar Uber ou Grab). A recomendação é pegar os azuis prateados da companhia Blue Bird, pois são mais confiáveis e usam taxímetro (tem aplicação para consultar o preço da viagem). O primeiro quilômetro custa de 5 a 8 mil, e os quilômetros seguintes saem 3 mil rúpias. É esperado que se dê uma gorjeta. Os pedágios (se passar em algum) ficam por conta do passageiro.

Também há moto-táxis e tuk-tuks para curtas distâncias. Recomenda-se combinar o valor antes.

Segurança

Achamos Jacarta uma cidade bastante segura, mesmo pela noite ou para andar com a câmera pendurada no pescoço (pelo menos nos lugares turísticos).

O maior cuidado que você deve ter por aqui mesmo é para não ser atropelado. O trânsito é um inferno e repleto de motos. Faixa de pedestres e semáforos para pedestres não são respeitados, e quando for atravessar a rua olhe para os dois lados, mesmo que a rua seja mão única, pois é comum que motos andem na contramão (e também nas calçadas).

O que fazer?

Há basicamente duas regiões de interesse em Jacarta: o bairro de Kota, onde está o centro histórico, e os arredores da praça onde está o Monas (monumento nacional). É fácil ir de um lugar a outro em transporte público.

Aqui vão alguns lugares bacanas que visitamos:

  • Monas

É o Monumento Nacional, erguido pela independência do país. Devido ao seu formato, ficou popularmente conhecido como “a última ereção de Sukarno” (presidente que o inaugurou).

Fica no centro de uma bonita praça, e tem um museu anexo (5 mil rúpias a entrada). Também é possível subir ao topo do monumento pagando 10 mil rúpias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Museu Nacional

Fica bem ao lado da praça do Monas, e contém artigos interessantes que remontam a história da Indonésia. A entrada custa 10 mil rúpias (R$2,50), e vale a visita. Não deixe de visitar o quarto andar, que é acessível somente de elevador (muitos acabam não indo lá por não saberem de sua existência).

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Mesquita Nacional

Com lugar para cerca de 200 mil pessoas, esta é a maior mesquita do Sudeste Asiático e a terceira maior do mundo. Foi construída em frente à igreja católica como uma forma de mostrar que as duas religiões podem conviver pacificamente na Indonésia (o arquiteto que a desenhou inclusive foi um cristão).

Eles permitem a visita de estrangeiros e emprestam as roupas adequadas, caso você não esteja vestido de acordo. Nós ainda fomos acompanhados por uma guia que nos ensinou muito sobre a mesquita e o islã. Não se paga nada para visitar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Catedral

Herança do período colonial, a catedral de Jacarta é grande e possui uma bonita arquitetura. Foi erguida em 1901 e é dedicada à Nossa Senhora da Assunção.

A pequena parcela da população católica a frequenta para fins religiosos, mas as portas estão abertas para todos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Bairro de Kota

É o centro histórico de Jacarta, repleto de museus e onde ainda se encontram alguns edifícios do período colonial.

O principal destino em Kota é a praça Fatahillah, perto da estação de ônibus Jakartakota. Ali está a cafeteria Batavia, considerada uma das mais antigas do país e que ainda mantém parte da decoração original.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Templo Budista de Glodok

A uma pequena caminhada de Kota está o bairro de Glodok, a chinatown de Jacarta. Ainda que não seja tão interessante, a rua Kemenangan Raya tem uma feira movimentada e com artigos exóticos. É possível comprar uma rã viva ali para cozinhar em casa. Nesta rua também estão dois templos budistas (lado a lado) bastante interessantes, e você pode visitá-los gratuitamente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Abaixo colocamos um pequeno vídeo mostrando um pouco sobre nossa visita a Jacarta:

É isso, pessoal! Curtiram as dicas?

Não deixem de curtir nossa página no face para acompanhar nossa viagem pelo mundo:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

3 comentários sobre “Jacarta – dicas e o que fazer na capital da Indonésia

  1. Aiii, que delícia gente!
    Estamos ansiosos aqui pelos posts da Indonésia. Já adorei Jakarta! E Lázaro de animou pq disse que da Indonésia só conhece Bali…rs.
    Que bacana que não é necessário pagar nada para a visitar a Mesquita. A mais bonita que vimos até agora foi no Marrocos, mas a entrada custava meio caro. E ela tb tinha esse design de igreja, justamente para lembrar que outras religiões são bem-vindas.
    Muito bacana!
    Bjao

    1. Isso que nós gostamos desta parte da Indonésia: acho que, como recebem poucos turistas, não saem metendo a faca nas pessoas. Pelo contrário, eles têm orgulho de mostrar as belezas do país.
      Chegamos a Bali agora. Uma loucura isso aqui!! Só gringo na rua, bem diferente de Java! hahaah
      Vamos ver no que dá. Tentar aprender a pilotar uma moto amanhã 😀

      Bjosss!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *