Machu Picchu – Tudo o que você precisa saber para visitar a cidade perdida dos incas!

Uma das 7 maravilhas do mundo, e provavelmente o principal destino turístico na América do Sul, Machu Picchu é fascinante tanto pela beleza cultural quanto pela natureza que a rodeia. Aqui contamos tudo para aproveitar ao máximo a cidade perdida dos incas!

Referência (junho/2016)
1 real = 0,88 soles

Bela vista da cidade de Machu Picchu
Bela vista da cidade de Machu Picchu

Machu Picchu (do quechua: “velha montanha”) é uma antiga cidade Inca, e o que a torna tão impressionante é o seu excelente estado de conservação: mais de 500 anos se passaram desde que os espanhóis puseram os pés na América, e a cidade segue em pé (ainda que grande parte tenha sido restaurada). O avanço do turismo na região preocupa, e todo ano surge a lenda de que vão fechar Machu Picchu. Não acreditamos que isso vá acontecer, mas é possível que imponham mais restrições para a visitação (hoje, vários acessos estão fechados). Por isso, quanto antes puder visitar o lugar, melhor! 🙂

Llama em Machu Picchu
Hoje, somente as lhamas têm acesso irrestrito às ruínas de Machu Picchu

Os motivos de a Espanha não ter destruído esta cidade (ou transformado-a em uma cidade colonial, como aconteceu em Cusco) são incertos. Algumas teorias surgem:

  1. Os moradores de Machu Picchu, ao saberem da devastação causada pelos espanhóis ao Império Inca, destruíram os caminhos que levavam à cidade, fazendo com que ela nunca fosse descoberta.
  2. Os espanhóis sabiam de Machu Picchu, mas não se interessaram pela cidade por estar em uma zona de difícil acesso e sem muito interesse à coroa. Eles mesmo teriam destruído os caminhos para lá, fazendo com que a pequena população da cidade acabasse morrendo por falta de suprimentos.

Seja lá como for, a cidade se manteve desconhecida até meados do século XIX, e só foi oficialmente apresentada ao mundo em 1911.

Há várias explicações sobre qual seria a função de Machu Picchu, sendo a mais aceita de que a cidade serviria como uma base administrativa e também um esconderijo para o soberano Inca no caso de um ataque.

A caótica entrada para Machu Picchu
A caótica entrada para Machu Picchu

Como chegar a Machu Picchu?

Quem quer explorar Machu Picchu deve ir para Cusco, e de lá seguir a trilha Inca ou chegar até Águas Calientes.

Leia nosso post explicando os caminhos até a cidade perdida:

Os caminhos para Machu Picchu

Mucuvinha brincando em Machu Picchu
Mucuvinha brincando em Machu Picchu

Valores

A entrada para Machu Picchu custa 128 soles, e podem ser compradas em Cusco, em Águas Calientes ou pelo site http://www.machupicchu.gob.pe/.

Estudantes com carteira internacional ISIC ou menores de 18 anos pagam meia entrada.

Menores de 8 anos não pagam.

Se quiser incluir a montanha de Machupicchu (explicamos mais abaixo) vai pagar 142 soles (montanha + cidade).
Se quiser visitar a cidade + a montanha de Huaynapicchu vai pagar 152 soles. Neste caso, é bom reservar com antecedência, pois quando estivemos por lá já não havia mais vagas para Hayna pelos próximos 3 meses.

Os ingressos são nominais e possuem data.

Carimbando o Passaporte

Quer ficar com um registro oficial da visita a este belíssimo lugar? Leve seu passaporte e carimbe a entrada.

Passaporte carimbado para Machu Picchu
Passaporte carimbado para Machu Picchu

O carimbo está disponível gratuitamente logo depois da catraca de ingresso, no lado esquerdo. Ele não tem nenhuma utilidade legal, é só uma recordação mesmo.

Explorando Machu Picchu

Ao chegar em Machu Picchu, muitos guias vão se oferecer para levá-lo pela cidade. Estes devem cobrar entre 20 e 40 soles, dependendo da negociação e do tamanho do grupo que eles conseguirem organizar.

Fila para fotos em Machu Picchu
Em alguns lugares é preciso fazer fila para tirar uma foto!

O passeio guiado pode ser interessante, mas não é obrigatório. Se não quiser pagar, vamos explicar aqui cada lugar para você aproveitar ao máximo a sua visita!

Ah, importante comentar: você precisa de, pelo menos, 5h para explorar bem este lugar. Algumas agências vendem tours para visitar a cidade pela manhã e voltar logo depois do almoço. Fuja destes, pois são furada! O ideal é dormir uma noite mais em Águas Calientes, ou voltar em algum transporte que saia depois das 17h.

Vamos lá, aqui tem um mapa com os principais pontos de Machu Picchu. Vamos explicar cada um deles:

  • Mapa de Machu Picchu
    Mapa de Machu Picchu

    Portada del Sol – Visita obrigatória, pelo menos se não for subir nenhuma das duas montanhas (Machupicchu ou Huaynapicchu). Quem fizer o caminho Inca vai chegar a Machu Picchu por aqui.

    Portada del Sol
    Portada del Sol

    O caminho até a portada, a partir da entrada no parque, é de mais ou menos meia hora de caminhada, morro acima. A vista que se tem de Machu Picchu deste lugar é fenomenal.

    Vista de Machu Picchu a partir da Portada del Sol
    Vista de Machu Picchu a partir da Portada del Sol

     

  • Puente Inca – Fica também a meia hora de caminhada a partir da entrada, por um caminho praticamente reto (há uma pequena subida nos primeiros 5 minutos). Este é um antigo caminho Inca que seguia pelo outro lado da montanha, não se sabe até onde (depois de um ponto, o acesso está fechado pela vegetação).
    É preciso fazer um pequeno registro (gratuito) antes de seguir por este caminho.

    O caminho até a Puente Inca, em Machu Picchu
    O caminho até a Puente Inca vai beirando o penhasco

     

  • Huaynapicchu – Sabe aquela montanha que fica no fundo da cidade? Esta é Huayna. Se quiser subir lá, é preciso pagar um pouco mais caro e reservar com bastante antecedência, pois o acesso está restrito a uma pequena quantidade de pessoas por dia.
    Sobre a montanha há uma pequena construção, suportamente um templo sagrado para os moradores da cidade. A subida é cansativa, mas a vista lá de cima recompensa qualquer esforço.

    No topo da Huayna Picchu
    Foto de quando subi a Huayna Picchu, há 6 anos atrás

     

  • Machupicchu – Isso causa grande dúvida nas pessoas. É que uma das montanhas que circulam a cidade também se chama Machupicchu (no geral, atribuem à montanha o nome escrito tudo junto, e à cidade em separado: “Machu” “Picchu”). Recentemente, o governo peruano bloqueou o acesso à esta montanha por 1 mês, o que causou desespero na galera, que achou que haviam fechado a cidade perdida.
    É possível subir Machupicchu pagando um pouco mais (142 soles, em vez de 128). Por ser menos disputada que Huayna, não há necessidade de reservar com tanta antecedência: quando estivemos por lá, dava para comprar o acesso para o dia seguinte sem problemas.
    Não subimos, mas as opiniões sobre este lugar são diversas. A maioria das pessoas com quem conversamos disseram que não vale a pena, pois a vista que se tem da Portada é muito melhor. Outras falaram que a subida é bem interessante. Aí vai de você.
  • Terraças –
    Terraças de Machu Picchu
    Ao fundo, as famosas terraças, marca característica da engenharia Inca

     

    ao redor da cidade, você vai ver várias terraças (que são como escadas gigantes, que eram dedicadas à agricultura). Algumas podem ser visitadas, outras somente admiradas de longe. As que estão próximas à entrada oferecem vista para aquela foto clássica de Machu Picchu.

Estes são os lugares que você pode visitar ao redor de Machu Picchu. Agora vamos explicar os lugares dentro da cidade.

  • Setor dos Templos – Localizado ao lado esquerdo de quem entra em Machu Picchu, é facilmente reconhecido pela construção característica. Parte da parede de um deles está desabando.
    O templo que mais chama a atenção é o de três janelas, que representam (supostamente) o mundo abaixo da terra (cobra), o mundo sobre a terra (puma) e o mundo dos céus (condor).
    Em meio aos templos, há uma grande pedra sagrada, e quem tocá-la deveria sentir uma energia especial. Pena que o lugar está tão cheio de turistas que já não é possível sentir mais nada…

    Templos de Machu Picchu
    Setor dos Templos, em Machu Picchu. Detalhe para o templo das 3 janelas e, no fundo, de um que está desabando

     

  • Observatório astronômico – localizado logo atrás dos templos, é um observatório instalado no topo de um pequeno cerro.
    Machu Picchu
    Atrás da parede do templo, o pequeno morro onde fica o observatório. À direita, a imponente Huayna Picchu.

    Este lugar, segundo os guias, está localizado no centro exato das montanhas. Nele há uma pedra esculpida, que funcionava como um grande calendário: de acordo com a projeção da sombra, os Incas sabiam em que estação de ano estavam, e também quando seria o solstício.

    Calendário em Machu Picchu.
    Pedra esculpida que usava suas sombras para indicar a estação do ano.

     

  • Praça central – a praça central fica no centro de Machu Picchu, e o acesso a ela já é restrito. Apenas algumas lhamas podem circular por ali.
    Toda esta área verde era a praça central de Machu Picchu
    Toda esta área verde era a praça central de Machu Picchu

     

  • Pedra cerimonial – Localizada à entrada do caminho para Huayna Picchu, era nesta pedra que os incas deixavam suas oferendas aos deuses, e também pediam permissão para subir à montanha.
    Mucuvinha em frente à Pedra Cerimonial de Machu Picchu
    Mucuvinha em frente à Pedra Cerimonial

     

  • Templo do Condor – Um templo dedicado ao condor que, segundo a crença Inca, seria responsável por levar o corpo dos mortos até a Via Láctea, onde seriam transformados em uma estrela.
    A escultura no chão seria o rosto do condor, e as pedras ao fundo duas asas.

    Cabeça do Condor, esculpida no chão do templo em Machu Picchu
    Cabeça do Condor, esculpida no chão do templo

     

  • Torre – Torre de vigilância, com uma boa vista para os caminhos de entrada à Machu Picchu, assim como para as ruas da cidade em si.

Dicas

  • Leve bastante água – pelo menos 1 litro por pessoa. Lá em cima vende, mas é caríssimo (1 litro custa 10 soles).
  • Você vai caminhar bastante: leve um tênis confortável (de preferência uma bota). Os caminhos são irregulares, portanto caminhe com cuidado.
  • Leve protetor solar. Repelente também pode ser interessante, principalmente se for subir caminhando até Machu Picchu.
  • Tente subir cedo para lá, assim poderá desfrutar da cidade com poucos turistas.
  • Evite fazer besteira: é comum gente ser expulsa de Machu Picchu por tentar passar das zonas restritas ou por fazer fotos de topless. O lugar é cheio de seguranças.
  • Não há banheiros em Machu Picchu – a única opção é usar o que está no restaurante da entrada. Este custa 1 sol.
  • É proibido entrar em Machu Picchu com bastões de caminhada. Se subir com um destes, vai ter que deixar no guarda-volumes (5 soles).
  • Vá com tempo de sobra para aproveitar ao máximo este belíssimo lugar!
Portal de entrada para Machu Picchu
Portal de entrada para Machu Picchu

É isso pessoal!
Gostaram de Machu Picchu?

Não deixe de ler nossas dicas de Cusco aqui.

Para mais dicas sobre viagens e acompanhar nossa volta ao mundo, curtam nossa página no face! 🙂
www.facebook.com/mundosemfimoficial

14 comentários sobre “Machu Picchu – Tudo o que você precisa saber para visitar a cidade perdida dos incas!

  1. Oi pessoal! 🙂 Super legal as fotos e dicas! Muito agradecida pelas informações!
    Estou pensando em ir de van até a hidrelétrica, dormir uma noite em Aguas Calientes, fazer Machu Picchu no dia seguinte, e na volta, pensei em pegar um trem direto para Cusco… Vocês tem alguma informação em relação a isso? Não consigo ver pelo site da Peru Rail os horários (não funciona).
    Abraços e muito obrigada!

    1. Olá Gabrielle!
      Desculpa a demora para responder, estávamos com dificuldades em acessar a internet. Espero que não tenha sido muito tarde!
      Quanto a sua ideia, é uma boa para economizar uma graninha e não perder muito tempo. Que me lembre os trens começavam a sair às 15h20min, e o último saía às 17h20min. Às 17h50min tem um outro, mas é absurdo de caro (dava uns 400 dólares). Os outros custam em torno de 120 dólares.
      Eles chegam em Ollantaytambo por volta das 20h, e de lá você pega uma van até Cusco (esta custa 15 soles se não me engano).
      Qualquer outra dúvida, só perguntar! 🙂
      Abraços e boa viagem!!

  2. Olá pessoal!

    Seus posts do Peru estão me ajudando muito a planejar minha viagem!

    Vou em agosto e estava planejando fazer o caminho da hidrelétrica como vcs falaram: 1 dia para ida, 1 para MP e 1 para a volta, pois queria ficar lá o dia todo. Porém agora saiu um comunicado dizendo que as visitas serão limitadas por turno =( no link tem o comunicado oficial. http://www.machupicchu.gob.pe/

    Sendo assim, vocês acham que é possível eu ir no turno da manhã, sair de lá perto do meio dia para fazer a trilha de volta para a hidrelétrica a tempo de pegar a van? Quanto tempo vcs demoraram na trilha?

    Eu estava super de boa com a ideia de ficar mais uma noite e voltar no outro dia descansada, porém como dizem que Aguas Calientes não tem nada, não estou muito a fim de ter que ficar uma tarde e uma manhã sem fazer “nada” por lá…

    Obrigada!

    1. Poxa Carolina, que coisa chata! Tem certeza que é para a cidade de Machu Picchu, e não para a montanha? (não estou conseguindo abrir o site aqui porque não tenho flash).
      Mas, em todo o caso, a trilha demora 2 horas, caminhando numa boa. Se apertarem o passo dá pra fazer em 1h30min, talvez até menos.
      Acho que os portões de MP abrem às 6h, podem ir logo na abertura pra aproveitar melhor! Nesse tempo dá pra conhecer bem sim 🙂
      Boa viagem para vocês!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *