Mochilando em Rosário, o berço da bandeira Argentina

Localizada na província de Santa Fé e fora do roteiro turístico comum, Rosário foi o local de nascimento de alguns argentinos ilustres, como Che Guevara e Messi, além de ser o local onde foi criada e erguida pela primeira vez a bandeira da Argentina.


Valores do câmbio quando visitamos (outubro/2015)
1 dólar = 16 pesos argentinos
1 real = 4 pesos argentinos


Com cerca de 1 milhão de habitantes, Rosário é uma cidade tranquila e fácil de ser conhecida a pé em 1 ou 2 dias.

Para quem se interessa por história, foi nesta cidade que Manuel Belgrano criou e ergueu pela primeira vez a bandeira da Argentina. Também é a cidade onde nasceu Ernesto Che Guevara, um dos personagens mais importantes na história da américa latina.

Para quem gosta de futebol, foi em Rosário que nasceram craques argentinos como Lionel Messi e Di María. Ali também estão os estádios dos times Newell’s Old Boys e Rosário Central, ambos da primeira divisão argentina.

Placa de Lionel Messi em Rosário
Placa em homenagem ao craque Lionel Messi, jogador nascido na cidade de Rosário.

Para quem quer curtir a natureza, pode-se passar uns dias na ilha ali perto, observando alguns animais como a capivara e curtindo uma praia no rio Paraná.

Rosário é também a cidade com mais área verde por km² da Argentina (pelo menos segundo os rosarianos).

Chegando e saindo

A maneira mais fácil e econômica de chegar a Rosário é de trem. Há trens diários de/para Buenos Aires por 175 pesos por pessoa (o trajeto dura umas 5h). Às segundas e sextas há um trem que sai de Buenos Aires e vai até Córdoba, passando por Rosário, e custa a bagatela de 50 pesos (se quiser viajar neste, tente comprar a passagem com muita antecedência).

Ali também é muito fácil pegar carona. Para quem quer se aventurar, o ideal é pegar um ônibus para alguma cidade pequena ali perto. No nosso caso, fomos até a minúscula cidade de Carcaraña (cerca de 1h dali, e custa 37 pesos a passagem), descemos próximo à estrada e ficamos ali com o polegar levantado. Não demorou 15 minutos até um caminhão parar e nos oferecer uma carona até Río Cuarto, já a meio caminho de Mendoza.

Onde se hospedar 

Há boas opções de hotéis e hostels baratos por ali. O melhor local para se hospedar é no centro, em qualquer lugar entre o Monumento à Bandeira e a avenida Pellegrini.

Nós ficamos no hostel Foster, e uma diária para um casal em quarto privado (sem banheiro) custou 250 pesos.

O que fazer em Rosário

A cidade é muito fácil de ser conhecida a pé. O ideal é procurar um centro de informações turísticas e pedir um mapa de lá.

Aqui vai a lista das principais atrações:

  • Monumento à bandeira

    Monumento presente na nota de 10 pesos, foi inaugurado em 1957 e é uma homenagem à bandeira argentina. Foi ali que esta bandeira foi erguida pela primeira vez, em 1812.
    O local é grande e possui uma arquitetura que lembra um pouco a Grécia Antiga.
    A visita é gratuita, mas pode-se pagar para subir ao topo e ter uma vista da cidade ou para entrar em um museu acoplado.

    Monumento à bandeira, em Rosário, Argentina.
    Monumento à bandeira, em Rosário, Argentina.

    Se tiver oportunidade, visite o monumento também à noite, pois este é iluminado com as cores da bandeira da Argentina.

  • Casa do Che Guevara

    Não chega a ser uma visita obrigatória, mas é interessante dar uma passada por ali se estiver por perto ou se você for um fã do “Che”. O local fica no centro de Rosário e foi a residência onde ele viveu antes de se mudar para Alta Gracia, em Córdoba.

    Mucuvinha na antiga residência de Che Guevara em Córdoba
    Antiga residência de Che Guevara em Rosário

    Hoje em dia outras pessoas moram ali e não há um museu no local nem é permitida a visitação. Há apenas uma pequena placa do lado de fora fazendo menção ao militante.

  • Peatonal Córdoba

    Rua para pedestres no centro da cidade. Vale a pena caminhar por ali e observar a arquitetura dos prédios antigos de Rosário. Há várias opções de restaurantes por ali para todos os gostos (e bolsos).

  • Estátua do Che Guevara

    Localizada um pouco longe do centro, está uma estátua do Che Guevara feita em metal com chaves doadas por pessoas de diversos países.

    Estátua de Che Guevara em Rosário
    Estátua em homenagem ao Che Guevara em Rosário, Argentina. A estátua foi feita com o metal de chaves doadas de diversos países.

    A estátua possui cerca de 3 metros de altura e está em uma praça. É possível chegar lá caminhando a partir do centro, se tiver disposição (vai uns 30 minutos de caminhada).

  • Parques

    A cidade possui vários parques, sendo o maior deles o Parque de la Independencia, na avenida Pellegrini. Ali está um complexo com vários jardins, praças e até o estádio do Newell’s Old Boys.

    Mucuvinha em um parque de Rosário
    Um dos diversos parques de Rosário.

    Além deste, outros parques interessantes são o España e o Urquiza, que beiram o rio Paraná.

  • Vida noturna

    A rua com os principais bares e baladas da cidade é a avenida Pellegrini. Um bom lugar para tomar uma cerveza depois de um longo dia de caminhada.

    Avenida Pellegrini, em Rosário
    Avenida Pellegrini, onde estão as principais baladas e bares de Rosário
  • Natureza

    Para quem quiser curtir a natureza por ali, pode-se pegar um barco até a ilha “Isla de la Invernada”. Não chegamos a ir até lá, mas dizem que há belas praias e alguns animais selvagens ali, como capivaras.

Segurança

Antes de chegarmos a Rosário, fomos várias vezes alertados de que a cidade era perigosa.

Não vimos nada disso. Achamos a cidade bem segura, inclusive à noite. Talvez a região periférica seja complicada, mas o centro é bem tranquilo de se caminhar em qualquer horário.

 

É isso pessoal!
Para acompanhar nossa viagem de volta ao mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

Um comentário sobre “Mochilando em Rosário, o berço da bandeira Argentina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *