Glacial Pastoruri – um passeio imperdível no Parque Nacional Huascarán, Peru

Pertinho de Huaraz está o imenso glacial Pastoruri, que compete com a Laguna 69 como o destino mais procurado da região. Toda esta beleza está se derretendo; portanto, venha logo, antes que acabe!

Depois de termos deixado a Patagônia para trás, não imaginávamos que nos surpreenderíamos com outro glacial enquanto ainda estivéssemos pela América do Sul. Estávamos enganados: eis que, pelas cordilheiras peruanas, nos deparamos com o Pastoruri, um monstro de gelo que compete diretamente com o Perito Moreno (Argentina) e o Grey (Chile).

Não importa se você já viu outros glaciares ou não: se estiver viajando pela região de Huaráz, este é um passeio obrigatório. E não dá para adiar muito não: alguns estudos indicam que todo esse gelo deve desaparecer em menos de 15 anos por conta do aquecimento global. O que está esperando para arrumar as malas?

As pessoas parecem formigas perto do glacial Pastoruri
As pessoas parecem formigas perto do glacial Pastoruri

Como chegar

Se não tiver seu veículo particular, a melhor maneira de chegar ao Pastoruri é contratando uma excursão em Huaráz.

O glacial está dentro do Parque Nacional Huascarán, a uma distância de aproximadamente 70km do centro de Huaráz, e está a uma altitude que beira os 5000 metros sobre o nível do mar.

Os tours completos levam em torno de 7h, com algumas paradas no caminho.

Da base onde a van te leva até o glacial há uma caminhada de pouco mais de 3km, contando ida e volta. Vimos algumas pessoas comentando em fóruns e até mesmo blogs dizendo que esta caminhada é ridiculamente fácil. Mentira! Não sei se dizem isso para se exibir ou o quê, mas isso acaba prejudicando outros viajantes. A caminhada seria fácil se fosse ao nível do mar, mas a 5 mil metros de altitude tudo é mais difícil. Algumas pessoas podem superar bem a altitude, mas é comum pessoas passarem mal ou até mesmo não conseguirem chegar até o glacial. Se sentir muito cansaço ou dor de cabeça, considere a possibilidade de alugar um cavalo para chegar ao glacial.

Caminho para o glacial Pastoruri
Caminho até o glacial. Parece fácil, né?

Quanto custa?

Os tours para o glacial giram em torno de 30 e 40 soles. O mais barato que encontramos foi com a Romero Tours, que nos fez por 25 soles depois de uma chorada.

A entrada ao parque Huascarán custa 10 soles para a visita de 1 dia. Se for fazer trilhas de vários dias ou visitar outras partes do parque, pode valer a pena comprar um ticket de 65 soles, que te dá direito a entrar no parque por 21 dias.

Se quiser subir ou descer de cavalo, custa 7,50 soles o trecho.

O banheiro no parque custa 1 sol.

Se for almoçar (o almoço geralmente não está incluído), os pratos no restaurante que os ônibus param custam entre 20 e 30 soles.

Chegando ao Glacial Pastoruri
Chegando ao Glacial Pastoruri

O que levar?

A temperatura no glacial pode ser bem inferior a de Huaráz, portanto leve bastante roupa de frio (incluindo luvas e touca). Quando fomos, não fazia tanto frio assim, e acabamos deixando tudo na van. Mas tudo bem, é melhor não arriscar.

Os tours costumam sair às 9h da manhã e voltam pouco depois das 17h, fazendo uma parada para o almoço na volta – isso é, lá pelas 16h. Leve algum lanche para aguentar. Se quiser economizar, deixe para almoçar (ou jantar) quando chegar a Huaráz, pois fica muito mais barato que comer no restaurante onde as excursões param.

Leve também protetor solar e labial.

Em frente ao monstruoso Pastoruri
Em frente ao monstruoso Pastoruri

O tour

Saímos de Huaráz às 9h30min, rumo ao sul, e logo paramos no restaurante para quem quisesse comer alguma coisa ou tomar um chá de coca. Nesta parada também se comprava o ticket para reservar o almoço para a volta (opcional).

Desde aí, seguimos mais uns poucos quilômetros e desviamos da estrada principal para entrar no parque, onde pagamos a entrada e a paisagem se tornou espetacular.

Fizemos uma pequena parada em uma fonte natural de água com gás, tendo a cordilheira branca como plano de fundo. Esta água, apesar de natural, era rica em chumbo, o que a tornava imprópria para o consumo humano.

Fonte de água com gás - infelizmente imprópria para o consumo humano.
Fonte de água com gás – infelizmente imprópria para o consumo humano.
Mucuvinha em frente à impressionante cordilheira branca.
Mucuvinha em frente à impressionante cordilheira branca.
Se quiser tirar fotos com lhamas, aqui é uma opção
Se quiser tirar fotos com lhamas, aqui é uma opção

Depois de uns 20 minutos de fotos, seguimos para nosso próximo destino, a Lagoa de 7 Cores. Aqui fizemos uma pequena caminhada, tanto para avistar a lagoa quanto para conhecer uma planta chamada puya, nativa dos andes e que está em risco de extinção.

Lagoa de 7 cores, em Huascarán
Lagoa de 7 cores, em Huascarán

Esta planta chega a ter cerca de 17 metros de altura, vive pouco mais que 50 anos e pode ter mais de 400 flores. Frutifica apenas uma vez em todo o seu ciclo de vida. O interessante é que você vai perceber que várias delas estão queimadas – parece que alguém as queimou, mas não foi. Depois de mortas, elas secam com o sol e se queimam até virar pó, dando assim espaço para que outra possa nascer em seu lugar.

Ao lado de uma gigantesca puya, em Huascarán
Ao lado de uma gigantesca puya

Depois de todas as explicações dadas pelo guia, voltamos para a van seguimos em fim ao glacial, onde chegamos por volta das 12h30min. A partir do ponto de parada do ônibus, teríamos que caminhar 1800 metros, em uma subida leve, até a geleira.

Nosso guia nos deu 1h40min para percorrer a região, estimando que demoraríamos 50 minutos para subir, 20 minutos para apreciá-lo e 30 minutos para descer. Sofremos um pouco, mas conseguimos percorrer tudo em cerca de 1h30min.

A maior parte deste caminho pode ser feita a cavalo. Caso se sinta muito cansado nos primeiros metros, considere a possibilidade de alugar um (nem que seja só para subir; a descida é mais fácil).

No fim do caminho, a visão que temos é fantástica: o imenso paredão de gelo atrás da pequena lagoa parece de mentira.

Glacial Pastoruri
O caminho ainda não terminou, mas todos já estão impressionados
Cavalos para o Pastoruri
Alugar cavalos pode ser uma opção

O circuito ali faz um O, passando por um mirador e chegando bem perto do gelo, onde se pode tocar a água e até alguns pedaços de gelo que flutuam pelo lago. Antes era permitido entrar em um dos túneis do glacial, mas agora já não se pode mais. Mas tudo bem: chegar perto já é gratificante.

Na volta, paramos no restaurante para almoçar. Nós, como bons mãos-de-vaca, ficamos do lado de fora e almoçamos os sanduíches que levamos.

Chegamos a Huaráz pouco antes das 18h.

Pastoruri

Pastoruri
Pastoruri
Dicas

  • Leve roupa de frio, mesmo que faça calor em Huaraz.
  • Procure não fazer este passeio no primeiro dia, pois a altitude elevada pode te fazer passar mal.
  • Tome bastante água em todo o caminho – isso é ótimo para evitar os males da altitude.
  • Leve algum lanche para comer no caminho. Tente levar também chocolate para ajudar na caminhada.
  • Se sentir que começa a passar mal, suba até o glacial de cavalo. Melhor gastar uma graninha a mais do que perder o passeio.

É isso pessoal! Curtiram o passeio?
Conheça mais destinos na região de Huaraz aqui.

Para mais dicas de viagens e acompanhar nossa volta ao mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

12 comentários sobre “Glacial Pastoruri – um passeio imperdível no Parque Nacional Huascarán, Peru

  1. Fala Renan, estou seguindo vocês por alguns países da América do Sul, gostaria de uma dica para Huaraz, pretendo pegar o ônibus noturno de Lima para Huaraz e economizar na hospedagem, geralmente o ônibus chega em Huaraz as 6 ou 7h da manhã, eu consigo comprar o passeio para Pastoruri para sair as 9h do mesmo dia?
    No dia seguinte pretendo fazer a laguna 69.

    1. Olá William!
      Dá pra fazer sim. Os tours começam a sair a partir das 8h para o Pastoruri. Na frente da Plaza de Armas está a avenida Fitzcarrald. Caminhe por ela para o norte pelo lado esquerdo. Acho que já na primeira quadra você deve encontrar um túnel onde vendem artesanatos. Atravesse o túnel e vai chegar em um estacionamento de ônibus. Ali tem várias agências e o pessoal vendendo as últimas vagas nos ônibus que estão saindo. Passe por lá logo que chegar em Huaraz e com certeza vai conseguir alguma coisa. Se não tiver reserva em hotel, por ali há alguns econômicos também!

      1. Muito obrigado.
        Sobre a hospedagem, eu consegui um preço muito bom no hostel El Jacal Classic, o preço ficou dentro do orçamento e até mais em conta do que o hotel que você sugeriu aqui na página, mandei uma mensagem para eles (Ebony) e quem me respondeu foi o Jorge Ramirez, que por sinal, muito atencioso.
        Valeuuu pelas dicas.

  2. Boa tarde, tenho que escolher um só passeio entre Laguna 69 e Pastoruri pq não terei tempo de ir aos dois. Qual é mais imperdível?

    1. Fala rapaz!
      Nós sinceramente gostamos mais da Pastoruri do que da 69, mas o pessoal geralmente gosta mais da 69. Acho que a lagoa não nos chamou muito a atenção porque fizemos muitas trilhas na Patagônia para ver lagoas parecidas.
      Mas, se é a sua primeira vez nos Andes, talvez a 69 seja mais legal.
      Note que a 69 é bem mais sofrida que a Pastoruri. Se você ainda não tiver aclimatado com a altitude, melhor ficar com a Pastoruri. Muita gente faz o tour para a 69 e não consegue chegar até ela!
      Abs,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *