Conheça Guadalupe – um paraíso colombiano pouco explorado pelo turismo

Chegamos a Guadalupe por acaso – e podemos dizer que foi muita sorte conhecer este lugar belíssimo que ainda não foi descoberto pelo turismo massivo. Com rios, cascatas, cavernas e uma bela arquitetura colonial, este lugar precisa estar no seu roteiro!

Câmbio oficial (novembro/2016)
1 real = 910 pesos colombianos
1 dólar = 2920 pesos colombianos

Igreja e praça principal de Guadalupe
Igreja e praça principal de Guadalupe

Com uma população urbana que não chega a 3 mil habitantes, Guadalupe possui um potencial turístico imenso, que ainda está por ser descoberto.

Fundada em 1715, esta pequena cidade, que vive basicamente da agricultura e está afastada das principais rotas de transporte da Colômbia, conseguiu manter sua cultura praticamente intocada, assim como as fachadas de suas casas coloniais. Isso dá ao visitante uma oportunidade única de conhecer um local espetacular que ainda não foi destruído pelo turismo em massa.

Para nós, foi um privilégio poder conhecer Guadalupe, e temos certeza que para você também será!

Interior da igreja de Guadalupe
Interior da igreja de Guadalupe

Como chegar a Guadalupe

Guadalupe está a pouco mais de 6 horas ao norte de Bogotá. Para chegar aqui desde a capital deve-se pegar um ônibus até Oiba (quase todos os que seguem a Bucaramanga ou Cúcuta param aqui). Não sabemos quanto custa a passagem porque paramos em Tunja, mas nosso recorrido todo custou 30 mil pesos (15 de Bogotá a Tunja, e 15 de Tunja a Oiba).

Chegando em Oiba há que pegar uma caminhonete 4×4 que vai até Guadalupe. Estas custam 6500 por pessoa, e este trajeto dura em torno de 1 hora.

Estrada para Guadalupe
Estrada para Guadalupe

Hospedagem

Não adianta buscar no booking, hostelworld, airbnb ou afins: os 4 hotéis que existem na cidade são bem simples e não estão na Internet.

O mais econômico é o Bonanza, que custa 20 mil por pessoa e oferece até cozinha. Seu dono, José, é muito bacana e é um dos únicos guias da cidade. Com ele você poderá pegar muitas dicas e até organizar alguns tours.

Se quiser reservar ou pedir informações com ele, seu whatsapp é: +57 311 8351 573.

Nos feriados é comum a cidade encher (180 turistas já são suficientes para acabar com as vagas nos hotéis), e neste caso o pessoal organiza hospedagens nas casas de familiares e amigos.

Placa em homenagem ao libertador Simón Bolívar, que passou pela cidade durante sua luta pela independência
Placa em homenagem ao libertador Simón Bolívar, que passou pela cidade durante sua luta pela independência

Comida

Há poucos restaurantes em Guadalupe, e a maioria não oferece janta. Muitos trabalham no esquema de encomenda (você passa lá, pede a comida e diz a hora que vai buscar).

Se ficar sem comida, há uns mercadinhos pequenos e padarias para quebrar um galho. Estes costumam ficar abertos até umas 20h.

Um menu do dia em Guadalupe sai na faixa de uns 7 mil pesos.

O que fazer em Guadalupe

A cidade de Guadalupe é surpreendentemente bonita, principalmente levando em consideração que ela não vive do turismo. Sua igreja e a praça principal compõem um dos conjuntos coloniais mais bonitos que já vimos no país.

Apesar disso tudo, o que atrai os poucos turistas de Guadalupe são seus arredores. Felizmente todas as atrações são gratuitas.

Este é o grande atrativo da região, e foi o que nos fez ir até lá. Como uma alternativa barata ao Caño Cristales, este rio, apesar de não ter 7 cores, chama a atenção por ser bem raso (a altura da água raramente cobre o pé) e possuir alguns buracos redondos, que podem ter desde poucos centímetros até alguns metros de profundidade, e formam verdadeiras jacuzzis naturais.

Se não souber nadar ou estiver receoso de entrar em um buraco sem saber o que há no fundo, utilize um pedaço de pau para medir sua profundidade.

Este rio está a cerca de 3km, do centro de Guadalupe, e é possível alcançá-lo depois de uma caminhada de uns 50 minutos por trilhas com vistas sensacionais.

Para chegar até lá, caminhe pela estrada que leva até Oiba. Ao chegar no posto de gasolina, pegue o desvio (há um letreiro indicando) e siga caminhando por 2,4km.

Rio Las Gachas
Rio Las Gachas
Buracos no rio Las Gachas
Buracos no rio Las Gachas
  • Pozo de la Gloria

É uma pequena piscina natural com uma cascata, a cerca de 2km de Guadalupe. É possível chegar até lá caminhando ou de carro.

Para chegar, siga pela estrada que vai até Oiba. Passe o posto de gasolina e mantenha-se na estrada principal. Caminhe mais uns 500 metros e pegue um desvio à esquerda, por uma estrada asfaltada. Convém se informar com o pessoal, pois não há muita indicação no caminho.

Pozo de la Gloria, em um dia de feriado ponte
Pozo de la Gloria, em um dia de feriado ponte
  • Rio Salitre

Um rio parecido com o Las Gachas, porém com uma área maior para tomar banho. Ele termina em um paredão, que forma uma grande piscina artificial.

O rio salitre fica a uns 200 metros depois do Pozo de la Gloria, por um caminho pouco conhecido (o que é ideal para manter o local exclusivo). Para chegar até lá, informe-se sobre o caminho no bar que há no Pozo de la Gloria. É preciso pular algumas cercas, mas não se preocupe: turistas são bem-vindos na região.

Rio Salitre
Rio Salitre
Rio Salitre, formando uma piscina artificial
Rio Salitre, formando uma piscina artificial
  • Cueva de los pericos, cachoeira La llanera e Mirador la piedra del Sapo

Este é um recorrido muito bonito, a alguns quilômetros de Guadalupe. Para ir até lá é preciso contratar um guia (não que seja obrigatório, mas o risco de se perder é bem grande) e é possível seguir parte do caminho em 4×4.

A trilha toda tem cerca de 7km, e o primeiro ponto de interesse é a Cueva de los Pericos, uma pequena gruta habitada por morcegos e com uma pintura da Virgem de Guadalupe.

De lá segue-se para a cachoeira La Llanera, onde você atravessará por trás da cortina de água. Se quiser, é possível se banhar aí para se refrescar um pouco do calor.

Depois da cachoeira, segue-se a trilha até o Mirador del Sapo, que oferece uma vista espetacular de todo o vale.

O tempo do recorrido inteiro dura cerca de 5 horas. Nós fomos em um passeio organizado pelo José.

A trilha que segue por trás da cachoeira
A trilha que segue por trás da cachoeira
Cachoeira La Llanera
Cachoeira La Llanera
Cueva de los Pericos
Cueva de los Pericos
Mirador Piedra del Sapo
Mirador Piedra del Sapo

Estes são os principais atrativos. Além disso, a região conta com uma infinidade de outras cachoeiras, rios e grutas. É um destino ideal para aproveitar por no mínimo uns 2 ou 3 dias, mas que oferece atrações suficientes para entreter um viajante por mais de 1 semana!

É isso pessoal! Espero que tenham curtido a dica desde paraíso secreto na Colômbia.

Para mais dicas e acompanhar nossa viagem pelo mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

3 comentários sobre “Conheça Guadalupe – um paraíso colombiano pouco explorado pelo turismo

  1. Eu vou passar por Cucuta e procurando por Bucaramanga, caí aqui de novo e quer saber? Guadalupe é bem mais legal RS. Obrigada mais uma vez pela contribuição.

    1. Que bom que curtiu Guadalupe!
      É um destino bem pouco conhecido. Demos sorte de ter caído aí, e queremos que mais gente tenha a oportunidade de conhecer! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *