Conheça as 50 cidades mais violentas do mundo em 2016

Todo ano, a organização mexicana Seguridad, Justicia y Paz publica uma lista com as 50 cidades mais violentas do mundo, segundo os dados do ano anterior. Para nossa infelicidade, a maioria das cidades da lista de 2016 continuam sendo brasileiras.

No ano passado, chegamos a publicar a lista das cidades mais perigosas de 2015:

Agora postamos como ficou esta lista em 2016. O mais interessante é que, desta vez, tivemos a oportunidade de visitar muitas destas cidades durante o ano estudado, inclusive a campeã Caracas.

Centro Histórico de Caracas, a cidade mais violenta do mundo.

Metodologia

A metodologia utilizada para o estudo é:

  • Só levam em consideração regiões que não estão em guerra;
  • Somente cidades com mais de 300 mil habitantes são analisadas;
  • O ranking leva em consideração somente quantidade de homicídios por habitantes em cada cidade.

Muitas das cidades da lista aparentam ser bastante seguras, inclusive para turistas. Geralmente, nestes casos, a taxa de homicídios é elevada por conta de brigas entre traficantes. Assim, quem não está envolvido com isso, pouco tem a temer.

O estudo também usa dados oficiais para montar a lista. Não é surpresa para ninguém que, em muitos lugares, estes dados são manipulados.

O ranking da vergonha

Para nossa infelicidade, o Brasil é o país que possui mais representantes nesta lista. Abaixo a lista de quantas cidades de cada país constam:

  1. Brasil (19 cidades);
  2. México (8 cidades);
  3. Venezuela (7 cidades);
  4. EUA e Colômbia (4 cidades);
  5. África do Sul (3 cidades);
  6. Honduras (2 cidades);
  7. Guatemala, El Salvador e Jamaica (1 cidade).

Note que, tirando as três representações da África do Sul, todas as demais cidades estão na América. Talvez isso seja explicado pelo tráfico de drogas, já que a América do Sul é a maior produtora de cocaína do mundo, e os EUA os maiores consumidores.

Lista das cidades mais violentas do mundo

Segue a lista das cidades mais violentas do mundo, com a taxa de homicídios para cada 100 mil habitantes no ano de 2016:

  1. Caracas (Venezuela): 130,35
  2. Acapulco (México): 113,24
  3. San Pedro Sula (Honduras): 112,09
  4. Distrito Central (Honduras): 85,09
  5. Victoria (México): 84,67
  6. Maturín (Venezuela): 84,21
  7. San Salvador (El Salvador): 83,39
  8. Ciudad Guayana (Venezuela): 82,84
  9. Valencia (Venezuela): 72,02
  10. Natal (Brasil): 69,56
  11. Belém (Brasil): 67,41
  12. Aracaju (Brasil): 62,76
  13. Cape Town (África do Sul): 60,77
  14. ST. Louis (Estados Unidos): 60,37
  15. Feira de Santana (Brasil): 60,23
  16. Vitória da Conquista (Brasil): 60,10
  17. Barquisimeto (Venezuela): 59,38
  18. Cumaná (Venezuela): 59,31
  19. Campos dos Goytacazes (Brasil): 56,45
  20. Salvador (Brasil): 54,71
  21. Cali (Colômbia): 54,00
  22. Tijuana (México): 53,06
  23. Guatemala (Guatemala): 52,73
  24. Culiacán (México): 51,81
  25. Maceió (Brasil): 51,78
  26. Baltimore (Estados Unidos): 51,14
  27. Mazatlán (México): 48,75
  28. Recife (Brasil): 47,89
  29. João Pessoa (Brasil): 47,57
  30. Gran Barcelona (Venezuela): 46,86
  31. Palmira (Colômbia): 46,30
  32. Kingston (Jamaica): 45,43
  33. São Luís (Brasil): 45,41
  34. New Orleans (Estados Unidos): 45,17
  35. Fortaleza (Brasil): 44,98
  36. Detroit (Estados Unidos): 44,60
  37. Juárez (México): 43,63
  38. Teresina (Brasil): 42,84
  39. Cuiabá (Brasil): 42,61
  40. Chihuahua (México): 42,02
  41. Obregón (México): 40,95
  42. Goiânia (Brasil): 39,48
  43. Nelson Mandela Bay (África do Sul): 39,19
  44. Armenia (Colômbia): 38,54
  45. Macapá (Brasil): 38,45
  46. Manaus (Brasil): 38,25
  47. Vitoria (Brasil): 37,54
  48. Cúcuta (Colômbia): 37,00
  49. Curitiba (Brasil): 34,92
  50. Durban (África do Sul): 34,43

 

É isso pessoal! Concordam com a lista?

Se quiser ver o estudo completo, baixe o documento aqui.

Para mais dicas bacanas e acompanhar nossa viagem pelo mundo, curtam nossa página no face:
www.facebook.com/mundosemfimoficial

Um comentário sobre “Conheça as 50 cidades mais violentas do mundo em 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *